Arquivo da tag: Igreja Luterana

Hoje é Dia da Reforma Protestante!

reforma-protestanteEm 31 de outubro de 1517, Martinho Lutero deu início ao movimento protestante.

Dia 31 de outubro de 1517 foi a data escolhida por Martinho Lutero para divulgar suas 95 teses contra o papa e a Igreja Católica. Era o início da Reforma Protestante, que gerou o movimento evangélico. Já leu as teses? Leia aqui.

Pregadas na porta da Catedral da cidade Wittenberg, Alemanha, os argumentos do ex-monge Lutero não pediam que a Igreja se dividisse, mas que passasse por uma reforma teológica, abandonando práticas que contrariavam as Escrituras Sagradas. Rejeitadas pelo Vaticano, foram o início do que seria mais tarde a Igreja Luterana.

Entre as propostas de Lutero estava a de traduzir a Bíblia para que todos pudessem conhecer a Palavra de Deus. Até então isso era privilégio do clero. Foi uma verdadeira revolução no cristianismo. Lutero baseava-se em “5 pilares” que são usados até hoje para definir a fé protestante: “Somente a Escritura, somente a Fé, somente a Graça, somente Cristo e Glória somente a Deus”.

Os ideais se espalharam pela Europa e encontraram eco em vários movimentos similares. Essa é a raiz das igrejas evangélicas que se espalham por todo o mundo até hoje. Embora pouco divulgada pelas igrejas no Brasil, o fato é que a Reforma ajudou a mudar a história.

Prestes a completar cinco séculos, a Reforma continua inspirando milhares de cristãos no mundo inteiro. Em 2012, foi lançada pelo evangélico Orley José da Silva a campanha “500 anos de Reforma, 100 milhões de evangélicos no Brasil”.

Segundo Orley, o número de evangélicos no Brasil hoje gira em torno de 50 milhões. Sua proposta é que cada crente do país se esforce para “evangelizar uma pessoa não cristã, levá-la a decidir-se por Cristo e a discipular” até 31 de outubro de 2017. Assim, no aniversário de 500 anos da Reforma teremos 100 milhões de evangélicos no Brasil. “É claro que somente isto não basta, precisamos urgentemente de um reavivamento bíblico, que reflita profundamente na espiritualidade, na moral e na ética, primeiro da igreja e depois da sociedade”, esclarece.

Fonte: Gospel Prime

Anúncios

Se Marina Silva for eleita, será a terceira vez que o Brasil terá um evangélico na presidência; Confira

marina-silva-2014Se Marina Silva (PSB) vencer as eleições presidenciais no segundo turno, ela será a primeira mulher negra a governar o Brasil, mas não será a primeira vez que um evangélico chega ao cargo.

No século passado, outros dois presidentes de confissão protestante governaram o país em períodos distintos, antes da atual fase de democracia.

João Fernandes Campos Café Filho, advogado, membro da Primeira Igreja Presbiteriana de Natal (RN), foi presidente do Brasil por pouco mais de um ano. Café Filho, como era popularmente conhecido, era filiado ao Partido Social Progressista (PSP) e tomou posse no dia 24 de agosto de 1954, substituindo Getúlio Vargas, e foi deposto em 08 de novembro de 1955.

Após a deposição, Café Filho foi sucedido interinamente por Nereu Ramos, que ocupou o cargo até a posse de Juscelino Kubitschek.

O segundo evangélico na presidência do Brasil foi Ernesto Beckmann Geisel, militar, membro da Igreja Luterana, filiado ao partido Aliança Renovadora Nacional (Arena) e alçado ao poder pela ditadura militar.

O mandato de Geisel , que durou de 15 de março de 1974 a 15 de março de 1979, foi marcado pela sanção da Lei do Divórcio, e uma mudança na conduta do governo proporcionou uma pequena diminuição da censura, além de um pequeno aumento no diálogo político, o que culminou anos depois com a redemocratização do país.

Fase da nova democracia

A saída de Geisel da presidência aconteceu após a eleição de João Figueiredo, do Partido Democrático Social (PDS), que governou o país até 1985, quando Tancredo Neves, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) foi eleito.

Antes de sua posse, Tancredo – que era avô de Aécio Neves (PSDB), atual candidato tucano à presidência – faleceu, o que levou seu vice, José Sarney (PMDB) ao cargo entre 15 de março de 1985 a 15 de março de 1990.

Sarney foi substituído por Fernando Collor, que era filiado ao Partido da Reconstrução Nacional (PRN) e foi o primeiro presidente brasileiro eleito por voto direto do povo, derrotando Luís Inácio Lula da Silva (PT) nas urnas e tendo ocupado o cargo entre 15 de março de 1990 e 29 de dezembro de 1992, quando foi deposto por processo de impeachment.

Collor foi substituído pelo vice, Itamar Franco (PRN), que ocupou o cargo durante o restante do mandato e nomeou Fernando Henrique Cardoso como ministro da Fazenda, permitindo a implantação do Plano Real e o controle da inflação.

Fernando Henrique (PSDB) tomou posse no dia 1º de janeiro de 1995, foi reeleito quatro anos depois e governou o país até 1º de janeiro de 2003, quando transmitiu o cargo para Lula, que se manteve na presidência até 1º de janeiro de 2011, para dar posse a Dilma Rousseff (PT), primeira presidente mulher da história do Brasil.

Fonte: Gospel +

Pastor faz “sermão de 1 minuto” para ver jogo de futebol americano

pastor-tim-christensen-300x200Após a partida de futebol ele voltou para a igreja e realizou a cerimônia normalmente.

O pastor Tim Christensen, da igreja luterana Gold Hill, em Montana, nos Estados Unidos, realizou um culto de apenas um minuto para não perder a partida de futebol americano.

Torcedor do time San Francisco 49ers, o religioso resolveu anunciar aos fiéis que naquele dia o sermão seria diferente, pois ele não poderia se atrasar.

“Vocês podem não saber, mas um jogo de futebol vai começar dentro de alguns instantes. Não que eu tenha algum interesse no jogo, mas acho que podemos ter uma espécie de serviço abreviado”, disse ele ironicamente.

Christensen falou então que todos foram perdoados por seus pecados e que havia pão e vinho em cima da mesa convidando os fiéis a se servirem da Santa Ceia por conta própria.

Depois de explicar tudo, o pastor abriu sua vestimenta e revelou a camiseta do time dizendo “Tô fora!”. O pequeno culto foi filmado e virou notícia no jornal “The Guardian”.

A publicação revelou que a apresentação de um minuto foi apenas uma brincadeira e assim que o jogo acabou, o pastor voltou para a igreja e realizou a cerimônia normalmente.

Naquele dia o time San Francisco 49ers enfrentou e venceu o Carolina Panthers. O que deixou o religioso mais feliz.

Fonte: Gospel Prime

 

Igreja Luterana recebe 3 ministras lésbicas

As três ministras lésbicas foram recebidas sábado para a lista oficial da Igreja Luterana Evangélica na América (ELCA).

Anita Hill, Ruth Frost e Phyllis Zillhart, que foram ordenadas pelo menos uma década atrás, irradiaram sorrisos depois do “ritual de recepção” ser completado.

As três não são recém-chegadas à Igreja, observou o Rev. Peter Rogness, bispo do Synodo de St. Paul. Elas são corredoras de longa distância que têm sido parte do ministério por anos. Somente agora, a ELCA está abrindo as portas mais amplamente e “desenhando o círculo de boas-vindas de forma mais ampla,” disse ele diante das centenas de pessoas na Igreja Luterana do Redeemer em St. Paul, Minnesota.

Vinte anos se passaram desde que Frost e Zillhart – que têm estado juntas por 26 anos – foram ordenadas “extraordinariamente” pela Igreja Luterana St. Francis em São Francisco. A ELCA não permitiu a ordenação das parceiras homossexualismo no momento e as expulsou da congregação.

Hill, que tem relacionamento homossexual com sua parceira há 17 anos, foi ordenada “extraordinariamente” em 2001 pela Igreja Luterana Reformada St. Paul. Sua Igreja foi censurada pela ELCA.

A recepção das três mulheres no sábado foi tornado possível pela recente mudança da política ELCA no clero. Em agosto passado, o corpo legislativo mais alto da denominação votou para permitir pessoas que estão em “relação homossexual, monogâmica e vitalícia,” para a lista do clero.

Em um email à Bárbara Lundblad do Seminário Teológico Union em Nova York, Hill escreveu, “Nós não estamos fazendo nada de errado com você em receber a lista da ELCA. … Então por que nossa recepção deve ser vista como manchando o ministério para todos? Você não vê a dor de não ter … [nosso trabalho] reconhecido por todos esses anos?”

Lundblad, que é também uma parceira lésbica, pagou tributo para aqueles que estão entre os primeiros a “saírem” da ELCA e brigar por ordenação, incluindo Joel Workin e Jeff Johnson.

“Nós não deveríamos estar aqui sem eles,” disse ela em seu sermão.

Zombando do debate sobre como a questão da homossexualidade tem sido travada na Igreja, Lundblad observou: “Para muitos de nós ao longo desta Igreja, Anita Hill, você tem sido o nosso pastor de defesa, andando, sendo a ‘luterana lésbica’ em cada lugar que você entrou de forma que às vezes as pessoas esquecem que fez outras coisas. ”

Enquanto elas estavam paradas na frente da Igreja, as três ministras prometeram pregar e ensinar de acordo com as Escrituras Sagradas e dar um testemunho fiel no mundo de que o amor de Deus pode ser conhecido em tudo o que elas fazem. Elas foram recebidas como servos de Cristo pelas centenas de pessoas presentes na cerimônia e afirmaram como o clero da ELCA.

O ritual de recepção de Minnesota vem meses depois de uma cerimônia semelhante na Califórnia, onde sete ministros gays foram recebidos para a lista.

A decisão de reconhecer clérigos não celibatários homossexuais levou centenas de congregações a cortar os laços com a ELCA.

No mês passado, centenas de luteranos descontentes constituíam uma denominação separada chamada de Igreja Luterana na América do Norte. Eles argumentam que a ELCA está se afastando da autoridade e do ensino das Escrituras.

A ELCA é a maior denominação luterana no país, com 4.500.000 membros. Ela vem, entretanto, experimentando declínio contínuo e no ano passado viu a sua maior queda de sempre em membresia.

Fonte: Christian Post

Igreja Luterana questiona exclusão no Censo 2010

A Igreja Luterana está fora da lista de 2.075 religiões mostradas no computador dos recenseadores. IBGE diz que não existe um banco de dados de religiões.

Os cultos da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) estão diferentes. Agora, os pastores são porta-vozes de um recado importante para a comunidade luterana: como assinalar de forma correta sua religião no questionário do Censo 2010, já que a IECLB não está entre as igrejas elencadas.

Em Quinze de Novembro, no noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, município do Brasil com maior número de luteranos – conforme pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, de 2007, na qual 80,37% da população declarou a religião –, o tema tomou às ruas. As cerca de 1.120 famílias luteranas da cidade não conseguem entender como a igreja está fora da lista de 2.075 religiões mostradas no computador dos recenseadores. O pedreiro Sergio Valdir Solf, 49 anos, ex-presidente da comunidade no município, foi dos mais questionados:

– As pessoas me perguntam se a nossa igreja tem algum problema por não constar na lista do IBGE.

O questionamento da exclusão da igreja na lista do Censo partiu dos próprios recenseadores da cidade. Sabendo que o município tem o maior índice de luteranos do país, estranharam o nome não constar nas sugestões.

– Nós pedimos orientação ao IBGE e nos informaram que deveríamos escrever por extenso o nome da igreja – diz a recenseadora Patrícia Müller.

No portal da IECLB uma carta assinada pelo presidente da instituição, Walter Altmann, orienta como os membros da comunidade devem responder ao Censo.

– Nosso medo é que, não encontrando a opção correta, as pessoas marquem alternativas parecidas dentre as 48 com o termo “luterana” disponíveis na lista, distorcendo os dados – explica Altmann.

A orientação é que escrevam Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil ou marquem a designação que inclui o termo “confissão luterana”.

A indignação da comunidade é porque igrejas menores fiéis, estão na lista. Segundo a presidência da IECLB, são 720 mil no Brasil.

“Algumas das designações são absurdas”

A não inclusão da IECLB na relação do IBGE está sendo criticada pelos luteranos , como explicou em entrevista abaixo ao jornal Zero Hora, o pastor presidente da Igreja no Brasil, Walter Altmann (foto abaixo).

Como a IECLB descobriu que não estava na lista?

Walter Altmann – Nós recebemos informações de membros da igreja que estavam confusos com a orientação geral que os recenseadores receberam, em que a única sugestão colocada específica para os recenseadores quanto a luteranos falava de “luterano pentecostal”, uma designação que nenhum luterano estaria empregando.

A igreja procurou o IBGE?

Consultado, o IBGE nos enviou a relação das designação das religiões que estão inseridas no computador que o recenseador leva consigo. São ao todo 48 designações com o termo luterana e entre elas não se encontra Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, que sabidamente reúne em torno de três quartos de todos os luteranos do país. O IBGE informou que pode ser acolhido pelo recenseador aquela designação que o recenseado determinar.

A que se deve a indignação da comunidade?

Altmann – Algumas das designações são absurdas, que possivelmente, alguém no Censo passado deve ter usado. Nós acreditamos que um instituto como o IBGE teria condições de um lado colocar o nome correto das maiores igrejas luteranas do país e, de outro lado, excluir aquelas que foram indicadas por um número ínfimo de pessoas, que provavelmente tenham distorcido o nome da igreja a qual pertencem. Além disso, diante de tantas opções, nossa preocupação é que cada membro da comunidade opte por uma alternativa diferente, por estar confuso.

Os dados obtidos serão confiáveis?

Altmann – O que nós não sabemos exatamente é o objetivo que o IBGE tem. Se é apenas saber o número de pessoas, que de alguma forma, se designam luteranos, o número pode chegar perto do real.

O que diz o IBGE

Religião faz parte apenas do questionário por amostra, assim, somente 11% da população brasileira responderá “Qual a sua religião ou culto”. É uma das perguntas autodeclaradas, ou seja, a pessoa escreve a sua resposta.

Não existe um banco de dados. É como o browser do computador: no momento que você começa a digitar uma palavra, ela te oferece algumas alternativas de resposta, baseadas em informações colocadas em censos anteriores. No entanto, se nenhuma corresponder a religião da pessoa, ela poderá digitar outra. Qualquer religião pode ser escrita, não há nenhuma restrição.

Fonte: Zero Hora