Conhecimento e Responsabilidade

“Pedro e os outros apóstolos responderam: ‘É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens!'” (Atos 5:29)

Há um movimento na sociedade para redefinir casamento e família. A mídia e a sociedade moderna estão empurrando goela abaixo o casamento de pessoas do mesmo sexo. A normalização da homossexualidade está ganhando força, ilustrada inclusive por programas de TV.
Com a ênfase no casamento gay e homossexualidade em geral, você poderia pensar que uma grande parte da população atual deve ser gay. Alguns dizem que chega a 25%. Muitos aceitam a premissa que são ao menos 10%. Mas uma pesquisa grande, a maior da sua categoria, foi completada em 2013 pela agência de pesquisa americana Gallup. A pesquisa, que entrevistou 120 mil americanos, revelou que 3.4% da população do país é homossexual. Isso inclui gays, lésbicas, bissexuais e transexuais. Mesmo que represente uma pequena parte da população, tornou-se um enorme tópico e está chegando cada vez mais perto da igreja.
Pessoas gostam de dizer que os cristãos odeiam os gays. Mas, definitivamente isso não é verdade. Não vemos isso como o pior dos pecados, ou como um pecado pior do que outro. De fato a Bíblia fala sobre pecados maiores e menores, mas no caso o maior dos pecados é pecar contra o Espírito Santo.
Deixe-me ilustrar: Jesus disse a Pôncio Pilatos, um Romano endurecido e pagão: “aquele que me entregou a ti é culpado de um pecado maior” (João 19:11). Qual seria um pecado maior do que enviar Jesus para ser executado depois de ser torturado e flagelado, como Pilatos fez? Um pecado maior foi cometido pelo alto sacerdote Caifás, que tinha um enorme conhecimento. Ele foi quem enviou Jesus a Pilatos. Isso foi um pecado maior.
Conhecimento traz responsabilidade. E se a Bíblia diz que algo é pecado, então é pecado.

Link para o texto original
Receber os Devocionais Diários por email
Clique aqui se você precisa de ajuda

Fonte: Devocionais Diários

Anúncios

Não é Tão Ruim Assim?

“Não adulterarás” (Êxodo 20:14)
Você pode imaginar como seria a nossa sociedade se obedecêssemos a um único mandamento: “Não adulterarás”? Você pode imaginar como nosso mundo seria diferente? Quantos divórcios teriam sido evitados? Quantas famílias ainda estariam juntas? Quantos pais viveriam para criar seus filhos?

A maioria dos males sociais pode ser atribuída à quebra da família e especificamente à ausência do pai no lar. E muitas vezes os casamentos se desmoronam por causa do pecado de adultério. O que é adultério? É sexo com alguém além do seu cônjuge.
Deus estabeleceu o casamento para que haja realização e unicidade entre um homem e uma mulher. O sexo não é um brinquedo com o qual jogamos para satisfazer nossos desejos. A Bíblia diz: “O casamento deve ser honrado por todos; o leito conjugal, conservado puro; pois Deus julgará os imorais e os adúlteros” (Hebreus 13:4).
Apesar disso, este pecado acontece com muita frequência. Alguns dirão: “Ah, não é tão ruim! Foi apenas um passeio de uma noite. Nós nos divertimos um pouco! Como é entre dois adultos que consentem, por que está errado?” Porque quando um homem e uma mulher se juntam sexualmente, ocorre uma união, ainda que alguém se junte com uma prostituta.
Somos informados em 1 Coríntios 6:15-16: “Vocês não sabem que os seus corpos são membros de Cristo? Tomarei eu os membros de Cristo e os unirei a uma prostituta? De modo nenhum! Vocês não sabem que aquele que se une a uma prostituta é um corpo com ela? Pois, como está escrito: ‘Os dois serão uma só carne’.”
O adultério lhe machuca. E também dói nos outros.

Você pode imaginar como seria a nossa sociedade se obedecêssemos a um único mandamento: “Não adulterarás”? Você pode imaginar como nosso mundo seria diferente? Quantos divórcios teriam sido evitados? Quantas famílias ainda estariam juntas? Quantos pais viveriam para criar seus filhos?

A maioria dos males sociais pode ser atribuída à quebra da família e especificamente à ausência do pai no lar. E muitas vezes os casamentos se desmoronam por causa do pecado de adultério. O que é adultério? É sexo com alguém além do seu cônjuge.
Deus estabeleceu o casamento para que haja realização e unicidade entre um homem e uma mulher. O sexo não é um brinquedo com o qual jogamos para satisfazer nossos desejos. A Bíblia diz: “O casamento deve ser honrado por todos; o leito conjugal, conservado puro; pois Deus julgará os imorais e os adúlteros” (Hebreus 13:4).
Apesar disso, este pecado acontece com muita frequência. Alguns dirão: “Ah, não é tão ruim! Foi apenas um passeio de uma noite. Nós nos divertimos um pouco! Como é entre dois adultos que consentem, por que está errado?” Porque quando um homem e uma mulher se juntam sexualmente, ocorre uma união, ainda que alguém se junte com uma prostituta.
Somos informados em 1 Coríntios 6:15-16: “Vocês não sabem que os seus corpos são membros de Cristo? Tomarei eu os membros de Cristo e os unirei a uma prostituta? De modo nenhum! Vocês não sabem que aquele que se une a uma prostituta é um corpo com ela? Pois, como está escrito: ‘Os dois serão uma só carne’.”
O adultério lhe machuca. E também dói nos outros.

Pesado e Medido

“Pelo contrário, tu te exaltaste acima do Senhor dos céus. Mandaste trazer as taças do templo do Senhor para que nelas bebessem tu, os teus nobres, as tuas mulheres e as tuas concubinas. Louvaste os deuses de prata, de ouro, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra, que não podem ver nem ouvir nem entender. Mas não glorificaste o Deus que sustenta em suas mãos a tua vida e todos os teus caminhos.” (Daniel 5:23)
O livro de Daniel conta a história de uma festa que Deus destruiu na Babilônia. O rei Belsazar, o neto do rei Nabucodonosor, não seguiu os passos do avô. Enquanto Nabucodonosor chegou a acreditar no verdadeiro Deus de Israel, Belsazar se desviou do seu caminho para zombar Dele.
Ele convidou seus nobres para um grande banquete, e então tomou os recipientes especiais usados para a adoração de Deus no templo de Jerusalém e os encheu de vinho. A Bíblia nos diz que “Enquanto bebiam o vinho, louvaram os deuses de ouro, de prata, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra” (Daniel 5:4). Enquanto Belsazar e seus convidados festejavam, eis o que aconteceu:
“Mas, de repente apareceram dedos de mão humana que começaram a escrever no reboco da parede, da parte mais iluminada do palácio real. O rei observou a mão enquanto ela escrevia. Seu rosto ficou pálido, e ele ficou tão assustado que os seus joelhos batiam e as suas pernas vacilaram” (versos 5-6).
Escrito na parede estavam as palavras Mene, Mene, Tequel e Parsim, o que significavam, “Deus contou os dias do teu reinado e determinou o seu fim” (verso 26), “Foste pesado na balança e achado em falta” (verso 27), e “Teu reino foi dividido e entregue aos medos e persas” (verso 28).
Normalmente, quando subimos em uma balança, queremos pesar menos do que realmente pesamos. Mas na balança de Deus, queremos pesar mais. Mas Deus estava dizendo: “Belsazar, você é um peso leve. Você não tem substância em sua vida.”
Se você fosse se pesar na balança de Deus hoje, o que Ele encontraria? Ele acharia uma vida de substância? Ou uma vida vazia?

Uma Mensagem Agridoce

“Porque para Deus somos o aroma de Cristo entre os que estão sendo salvos e os que estão perecendo. Para estes somos cheiro de morte; para aqueles fragrância de vida. Mas, quem está capacitado para tanto?” (2 Coríntios 2:15-16)
Você já comeu algo que era doce ao se engolir mas o deixou enjoado depois? Deixe-me recolocar a pergunta: Já comeu seis sonhos recheados de uma vez? Eu já. Passei muito da conta. Foram ótimos na hora, mas menos de dez minutos depois eu estava me perguntando: O que é que fui fazer?
Em Apocalipse 10, o apóstolo João pediu a um anjo um livrinho. Quando o anjo lhe deu o livrinho, disse a João: “Pegue-o e coma-o! Ele será amargo em seu estômago, mas em sua boca será doce como mel” (versículo 9).
João disse: “Peguei o livrinho da mão do anjo e o comi. Ele me pareceu doce como mel em minha boca; mas, ao comê-lo, senti que o meu estômago ficou amargo. Então me foi dito: ‘É preciso que você profetize de novo acerca de muitos povos, nações, línguas e reis'” (versículos 10-11).
A mensagem em que nós cremos como cristãos é doce para nós, contudo amarga para outros. Ela é a palavra de Deus para nós. Nós a comemos feito comida. Jó disse: “Não me afastei dos mandamentos dos seus lábios; dei mais valor às palavras de sua boca, do que ao meu pão de cada dia” (Jó 23:12). Para os cristãos um estudo bíblico é como um banquete. Adoramos. Mas para outros é tristeza e tormento. Eles não gostam.
Alguns ouvem o evangelho e dizem: “Amei isso. Acredito nisso. Quero Jesus.”
Outros dizem: “Não só não gosto como odeio. E te odeio por dizer isso aí.”
Como fiéis, precisamos pegar a mensagem do evangelho e levá-la a tantos quantos pudermos. Que eles a amem ou a odeiem: é decisão deles.

Link para o texto original

João disse: “Peguei o livrinho da mão do anjo e o comi. Ele me pareceu doce como mel em minha boca; mas, ao comê-lo, senti que o meu estômago ficou amargo. Então me foi dito: ‘É preciso que você profetize de novo acerca de muitos povos, nações, línguas e reis'” (versículos 10-11).
A mensagem em que nós cremos como cristãos é doce para nós, contudo amarga para outros. Ela é a palavra de Deus para nós. Nós a comemos feito comida. Jó disse: “Não me afastei dos mandamentos dos seus lábios; dei mais valor às palavras de sua boca, do que ao meu pão de cada dia” (Jó 23:12). Para os cristãos um estudo bíblico é como um banquete. Adoramos. Mas para outros é tristeza e tormento. Eles não gostam.
Alguns ouvem o evangelho e dizem: “Amei isso. Acredito nisso. Quero Jesus.”
Outros dizem: “Não só não gosto como odeio. E te odeio por dizer isso aí.”
Como fiéis, precisamos pegar a mensagem do evangelho e levá-la a tantos quantos pudermos. Que eles a amem ou a odeiem: é decisão deles.

Link para o texto original

Fonte: Devocionais Diários

Focado no Porvir

“Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros no céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam.”(Mateus 6:19-20)
O céu é o verdadeiro negócio, a eterna morada. A Terra é uma morada temporária. O céu é o original e a Terra é a cópia. Pegue as melhores coisas que você já viu ou sentiu nesta terra, os melhores dias de sua vida, seja o dia do seu casamento ou o nascimento de uma criança ou um momento especial com alguém que você ama… Tudo isso foi simplesmente vislumbres de glória, amostras do que está por vir.
C. S. Lewis escreveu em Cartas a Malcolm: “As colinas e os vales do céu serão para os que você agora experimenta, não como uma cópia para um original, mas como a flor para a raiz ou o diamante para o carvão.”
A Bíblia nos diz que, um dia, como crentes, estaremos diante do tribunal de Cristo, também conhecido como Assento de Bema, onde os crentes receberão recompensas por sua fidelidade a Deus. Paulo escreveu às igrejas da Galácia: “E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos” (Gálatas 6:9).
E também nos lembramos em 1 Coríntios 3:8: “O que planta e o que rega têm um só propósito, e cada um será recompensado de acordo com o seu próprio trabalho.”
Sim, há uma recompensa. E isso deve fazer com que desejemos fazer tudo o que pudermos para a glória de Deus. Todo o investimento que fizermos de nossas vidas para a glória de Deus resultará em uma recompensa eterna: a doação de nosso tempo, o uso de nossos talentos, o investimento de nossos recursos. Ao sermos fiéis ao Senhor, estamos depositando tesouros no céu para nós mesmos.

Um Deus justo

“O temor do Senhor é puro, e dura para sempre. As ordenanças do Senhor são verdadeiras, são todas elas justas” (Salmos 19:9)

Quando se trata do julgamento de Deus, às vezes as pessoas dizem que acreditam em um Deus que não é julgador. Isso parece bom, mas aqui está o que elas realmente estão dizendo: “Acredito num Deus que não se importa com o certo e o errado.” Ou seja, elas estão dizendo que acreditam num deus que inventaram em suas cabeças.

Se Deus realmente é amoroso, Ele também será justo. É o que a Bíblia nos diz. O amor de Deus o torna um juiz justo. Saiba disso: ninguém estará no céu de forma involuntária, e ninguém estará no inferno involuntariamente.

Deus não forçará ninguém a ir para o Céu. Ele não vai dizer: “Levante-se para o céu agora mesmo!” Você não precisa ir se não quiser. Por outro lado, ninguém estará no inferno sem querer.

Gosto da maneira como J. I. Packer resumiu: “A Escritura vê o Inferno como autoescolhido… O inferno aparece como o gesto de Deus de respeito pela escolha humana. Todos recebem o que realmente escolheram. Ou estar com Deus para sempre, adorando-O, ou sem Deus para sempre, adorando a si mesmos.”

Como um Deus de amor pode enviar pessoas para o inferno? Ele não vai. Se você acabar no Inferno, você foi para lá de bom grado porque rejeitou a Sua oferta de perdão. Você rejeitou Jesus Cristo e tudo o que Ele fez por você. Mas se você pede a Deus para lhe perdoar do seu pecado, Ele o removerá de você e lhe dará uma mudança, uma transformação em sua vida. Você nascerá de novo.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: