Publicado em Brasil, Cinema, Cotidiano, Filmes, Literatura

Fiéis da Assembleia de Deus protestam contra “50 Tons de Cinza”: “Esse filme vai destruir muitos jovens”

evangelicos-protestam-contra-50-tons-de-cinzaDefinitivamente os evangélicos não permitiram que o filme “50 Tons de Cinza” passasse em branco e alimentaram a polêmica em torno do longa-metragem baseado no best-seller homônimo.

Na última segunda-feira, 16 de fevereiro, aproximadamente 200 fiéis da Assembleia de Deus protestaram contra o filme em Erechim (RS). A ideia dos organizadores era se manifestar contra o sadomasoquismo presente na história erótica da franquia.

“Eu não acho que é saudável como o filme apresenta uma mulher depois da relação, jogada no chão sangrando de machucada. Fica aqui então nossa crítica através da nossa visão de sexualidade. Acho que esse filme vai destruir muitos jovens”, disse o pastor Geraldino Junior, um dos responsáveis pelo protesto.

A ideia de marchar em protesto contra o filme surgiu durante um congresso de jovens realizado nos dias anteriores. Durante o evento, o tema discutido foi “sexualidade saudável, pureza e romance”, segundo informações do G1.

Motivados pelas ideias trocadas durante o evento, os jovens evangélicos se propuseram a confeccionar cartazes e caminhar pelas ruas da cidade gaúcha anunciando Jesus e criticando o filme soft-porn.

Polêmicas e piada

Os livros que deram origem ao filme venderam mais de 100 milhões de cópias ao redor do mundo. Há expectativa de que “50 Tons de Cinza” se torne o filme de maior bilheteria da história, muito por conta da repercussão que está causando.

No Brasil, a maior polêmica envolvendo as críticas de um líder religioso envolveu o bispo Edir Macedo, que publicou em seu blog um artigo que classifica o filme como uma “perversão demoníaca.

O humorista e apresentador Rafinha Bastos aproveitou o episódio para fazer piada com o caso: “O bispo Edir Macedo falou que ’50 Tons de Cinza’ é um filme do demo. Ele pode até estar certo, mas se você quer ver o capeta, não precisa ir até o cinema… é só ligar a TV”, escreveu em sua página no Facebook, fazendo referência à já conhecida tradição da Igreja Universal do Reino de Deus em mostrar exorcismos em seus programas.

Fonte: Gospel +

Anúncios
Publicado em Cinema, Filmes, Mundo

“Davi e Golias”: diretor de filme que narrará a batalha contra o gigante diz que produção “honrará a Deus”

davi-e-goliasO próximo filme com temática bíblica que deverá atrair a atenção dos cristãos é “Davi e Golias”, dirigido por Tim Chey e com lançamento previsto para o mês de abril nos cinemas dos Estados Unidos.

A batalha entre o gigante filisteu e o então jovem pastor de ovelhas foi adaptada, novamente, para as telonas, e o diretor do filme disse que a produção irá honrar a Deus.

“Bem, em primeiro lugar, eu não sou só um cineasta, mas também um evangelista. Então, obviamente, eu não vou fazer um filme que biblicamente não seja correto ou não honre ao Senhor”, disse Chey.

Com críticas ao filme “Noé”, dirigido por Darren Aronofsky, Tim Chey afirmou que não haverão imprecisões históricas ou infidelidade à Bíblia em seu filme: “Não há monstros de pedra ajudando Davi, infelizmente”, disse Chey, irônico. “Mas, brincadeiras à parte, eu queria fazer um filme que revigorarasse o tipo de fé que o futuro rei de Israel tinha, ou seja, lutar contra um gigante com uma chance de 0% e, com ajuda de Deus, derrotá-lo”, acrescentou o cineasta, durante uma entrevista recente em Los Angeles.

O ator Miles Sloman vive Davi, enquanto Golias é interpretado pelo ator Jerry Sokoloski, de acordo com informações do Charisma News.

O filme é uma produção bem mais simples que os últimos filmes com temática cristã, e pode ser considerado um “filme B”. “Êxodo: deuses e reis”, dirigido pelo renomado Ridley Scott e estrelado por Christian Bale, custou aos estúdios a bagatela de US$ 140 milhões, de acordo com a revista Exame. Já o criticado “Noé” consumiu US$ 125 milhões.

No entanto, as altas quantias investidas nos filmes não foram suficientes para convencer os líderes cristãos de sua relevância e contribuição para a divulgação da mensagem bíblica. Enquanto isso, o diretor de “Davi e Golias” garante que o conteúdo de seu filme não irá desapontar quem espera ver a narrativa bíblica no cinema.

Fonte: Gospel +

Publicado em Cinema, Filmes

Rodrigo Santoro é convidado para interpretar Jesus Cristo: “Responsabilidade do tamanho do mundo”

rodrigo-santoroCotado para interpretar Jesus Cristo na refilmagem do clássico “Ben Hur”, o ator Rodrigo Santoro concedeu entrevista e afirmou que se for confirmado no papel, terá uma enorme responsabilidade sobre si.

“Eu acho que é uma responsabilidade do tamanho do mundo. Literalmente. É um personagem com um arquétipo fortíssimo. É um remake do clássico, então a história não é centrada no Jesus. Mas só a possibilidade de vivenciar e tentar compreender um pouco o que ele passou já é uma experiência”, afirmou Santoro, segundo informações do Adoro Cinema.

O ator disse ainda que foi escolhido para o papel, mas o acerto com os produtores ainda não foi feito pois há a possibilidade de conflito de agenda, devido a outros compromissos profissionais: “Foi feito o convite. O que está acontecendo é que eu já estava contratado para fazer a série Westworld, para a HBO. Então, as duas produções estão num exercício para verificar as questões das datas, para ver se não vai haver conflito. Ainda não tenho uma confirmação sobre isso”, resumiu.

 “Ben Hur” (1959) é tido pelos críticos de cinema como um dos clássicos da sétima arte, e de acordo com a sinopse disponível na Wikipedia, a história “se passa na época de Jesus Cristo, e conta a vida de um judeu rico de grande influência (Judah Ben-Hur), que é traído por seu amigo romano (Messala), e é então escravizado. Ele luta pela liberdade e volta para conseguir a vingança”.

Rodrigo Santoro, que ficou conhecido no Brasil por seus papéis em novelas da TV Globo, iniciou sua carreira em Hollywood há pelo menos 14 anos, e vem colecionando pequenos papéis nas produções do cinema norte-americano. Seu papel de maior destaque foi o rei persa Xerxes, nos filmes “300” e “300: A Ascensão do Império”.

Fonte: Gospel +

Publicado em Cinema, Filmes, Mundo

Autores de “Êxodo: deuses e reis” escreverão nova série de TV baseada na Bíblia Sagrada

exodo-deuses-e-reis-e1422367559624Os roteiristas do filme “Êxodo: deuses e reis” irão escrever uma nova série de TV baseada nos relatos bíblicos a pedido da emissora ABC.

O projeto, que usará como principais personagens um rei das batalhas, um profeta poderoso e amargurado, e ainda, um jovem pastor de ovelhas. Chamada de Of Kings and Prophets (“De reis e profetas”, na tradução livre do inglês), a série vem sendo descrita como uma “épica saga bíblica sobre fé, ambição e traição”.

A produção será desenvolvida por Jason Reed, Reza Aslan e Mahyad Tousi, e escrita por Adam Cooper e Bill Collage, que foram os responsáveis por adaptar a narrativa bíblica do Êxodo para o diretor Ridley Scott, no filme que teve Christian Bale no papel de Moisés.

Segundo informações do site especializado Série Maníacos, a série foi encomendada pela emissora norte-americana para esse ano. Portanto, o programa deverá ir ao ar ainda em 2015, e espera-se que obtenha a mesma audiência bem-sucedida de projetos como a série A Bíblia, que atraiu a atenção de milhões de espectadores no mundo inteiro.

No Brasil, A Bíblia foi transmitida pela TV Record, e impulsionou um projeto próprio da emissora, chamado Milagres de Jesus, e uma “novela bíblica”, ainda em fase de produção.

A indústria do entretenimento nos Estados Unidos descobriu na Bíblia Sagrada uma fonte rica de histórias com drama e ação, e vem usando as narrativas do livro como fonte de inspiração para filmes, e de quebra, arrecadando milhões de dólares com a audiência que os longa metragens atrai aos cinemas.

Antes do elogiado “Êxodo: deuses e reis”, o grande blockbuster baseado na Bíblia foi o filme “Noé”, bastante criticado por líderes cristãos e formadores de opinião. Na época do lançamento, o Vaticano considerou o filme estrelado por Russel Crowe como “uma oportunidade perdida”.

Fonte: Gospel +

Publicado em Cinema, Filmes, Mundo

“Meu Nome é Paulo”: filme vai contar a história de conversão do apóstolo nos dias atuais

meu-nome-e-pauloO longa-metragem “Meu Nome é Paulo” vai contar a história de conversão do apóstolo, adaptando a narrativa bíblica aos dias atuais. A produção cinematográfica realizada pela Dunamis Films com direção de Trey Ore tem estreia prevista para o dia 12 de março de 2015 nos cinemas brasileiros.

No filme, o ambiente da Igreja Primitiva, perseguida por Saulo como mostram os relatos bíblicos, é substituído pelo mundo contemporâneo. No entanto, o roteiro mostra uma sociedade avessa à fé, onde as autoridades investem pesado na perseguição aos cristãos e o principal agente de perseguição é Paulo.

“Paulo, cego pelo ódio e intenção de destruição, está determinado a encontrar e matar Pedro, o inimigo de seu Líder. No entanto, um terrível acidente e uma descoberta milagrosa, o levará para fora do curso e a uma estrada de autodescoberta, onde ele aprende a viver e amar o próximo”, diz a sinopse do filme.

“Meu Nome é Paulo” se vale de cenas de ação, troca de tiros e certa violência para narrar, de forma ousada, a história do “apóstolo dos gentios”, que passou de perseguidor a fundador e incentivador de igrejas após seu encontro pessoal com Jesus.

Produzido nos Estados Unidos, o filme tem o elenco formado pelos atores Andrew Roth, Michael Joiner, Patrick Keenan, Cranston Johnson, Shannen Fields, Vanessa Ore, Karyn Elyse Abercrombie, Tim Ross, Abigail Cornell, Isaiah Stratton, Torry Martin, Catherine Trail, David Sweeney, Davis Osborne, Armando Alonzo e Joe Coffey, segundo informações da página oficial do longa no Facebook.

Fonte: Gospel +

Publicado em Cinema

Confira a lista com os indicados ao Oscar 2015

oscarA Academia de Artes e Ciências de Hollywood divulgou nesta quinta-feira os indicados ao Oscar 2015. Como esperado, entre os principais selecionados estão os filmes Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), em nove categorias, entre elas as de melhor filme, melhor diretor e ator para Michael Keaton; O Grande Hotel Budapeste, também finalista em nove categorias, embora muitas delas técnicas, O Jogo da Imitação, indicado oito vezes, e A Teoria de Tudo, cinebiografia do cientista Stephen Hawking, que figura em cinco categorias. O vencedor do Globo de Ouro de melhor filme dramático, Boyhood: Da Infância à Juventude, conquistou seis indicações.

A entrega dos prêmios será realizada no dia 22 de fevereiro no teatro Dolby, em Los Angeles, e será apresentada mais uma vez pelo ator Neil Patrick Harris.

Confira abaixo a lista de indicados ao Oscar 2015: 

Melhor filme

Boyhood: Da Infância à Juventude
Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)
Sniper Americano
O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
A Teoria de Tudo
Selma
Whiplash: Em Busca da Perfeição
Atriz

Felicity Jones, A Teoria de Tudo
Julianne Moore, Para Sempre Alice
Rosamund Pike, Garota Exemplar
Reese Witherspoon, Livre
Marion Cotillard, Dois Dias, Uma Noite

Ator

Steve Carell, Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo
Bradley Cooper, Sniper Americano
Michael Keaton, Birdman
Eddie Redmayne, A Teoria de Tudo
Benedict Cumberbatch, O Jogo da Imitação

Atriz coadjuvante

Patricia Arquette, Boyhood
Keira Knightley, O Jogo da Imitação
Emma Stone, Birdman
Meryl Streep, Caminhos da Floresta
Laura Dern, de Livre

Ator coadjuvante

Robert Duvall, O Juiz
Ethan Hawke, Boyhood
Edward Norton, Birdman
Mark Ruffalo, Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo
J.K. Simmons, Whiplash: Em Busca da Perfeição

Diretor

Alejandro González Iñárritu, Birdman
Richard Linklater, Boyhood
Wes Anderson, O Grande Hotel Budapeste
Bennett Miller, Foxcatcher
Morten Tyldum, O Jogo da Imitação

Filme estrangeiro

Ida (Polônia)
Leviatã (Rússia)
Tangerines (Estônia)
Timbuktu (Mauritânia)
Relatos Selvagens (Argentina)

Animação

Operação Big Hero
Os Boxtrolls
Como Treinar o Seu Dragão 2
Song of the Sea
O Conto da Princesa Kaguya

Melhor roteiro original

Birdman, Alejandro González Inarritu, Nicolas Giacobone, Alexander Dinelaris Jr.
Boyhood, Richard Linklater
Foxcatcher, E. Max Frye e Dan Futterman
O Grande Hotel Budapeste, Wes Anderson
O Abutre, Dan Gilroy

Melhor roteiro adaptado

Whiplash, Damien Chazelle
Sniper Americano, Jason Hall
A Teoria de Tudo, Anthony McCarten
O Jogo da Imitação, Graham Moore
Vício Inerente, Paul Thomas Anderson

Canção original

Glory, John Legend e Common (Selma)
Everything Is Awesome, Shawn Patterson (Uma Aventura Lego)
Lost Stars, Gregg Alexander e Danielle Brisebois (Mesmo Se Nada Der Certo)
I’m Not Gonna Miss You, Glen Campbell e Julian Raymond (Glen Campbell: I’ll Be Me)
Grateful, Diane Warren (Além das Luzes)

Trilha sonora

O Jogo da Imitação, Alexandre Desplat
A Teoria de Tudo, Yohan Yohanson
O Grande Hotel Budapeste, Alexandre Desplat
Interstellar, Hans Zimmer
Sr. Turner, Gary Yershon

Documentário

CitizenFour, de Laura Poitras
A Fotografia Oculta de Vivian Maier, de John Maloof e Charlie Siskel
Vietnã: Batendo em Retirada, de Rory Kennedy e Keven McAlester
O Sal da Terra, Wim Wenders, Juliano Ribeiro Salgado e David Rosier
Virunga, de Orlando von Einsiedel

Fotografia

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)
O Grande Hotel Budapeste
Ida
Sr. Turner
Invencível

Figurino

O Grande Hotel Budapeste
Vício Inerente
Caminhos da Floresta
Malévola
Sr. Turner

Montagem

Sniper Americano
Boyhood
O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
Whiplash

Maquiagem e penteado

Foxcatcher
O Grande Hotel Budapeste

Guardiões da Galáxia

Direção de arte

O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
Interstelar
Caminhos da Floresta
Sr. Turner

Efeitos visuais

Capitão América 2: O Soldado Invernal
Guardiões da Galáxia
Planeta dos Macacos: O Confronto
Interstelar
X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

Curta-metragem

Aya
Boogaloo and Graham
Butter Lamp (La Lampe au Beurre de Yak)
Parvaneh
The Phone Call

Animação curta-metragem

The Bigger Picture
The Dam Keeper
Feast
Me and My Moulton
A Single Life

Documentário curta-metragem

Crisis Hotline: Veterans Press 1
Joanna
Our Curse
The Reaper (La Parka)
White Earth

Edição de som

Sniper Americano
Birdman
O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos
Interstelar
Invencível

Mixagem de som

Sniper Americano
Birdman
Interstelar
Invencível
Whiplash

Fonte: Veja

Publicado em Cinema, Filmes, Mundo

Estréia do filme “Êxodo: Deuses e Reis” leva quase um milhão de pessoas aos cinemas brasileiros no fim de semana

02phtiBO filme “Êxodo: Deuses e Reis” estreou nos cinemas brasileiros no último fim de semana como campeão de bilheteria. A produção estrelada por Christian Bale no papel de Moisés, figura-chave nas três religiões monoteístas e libertador do povo hebreu, levou quase um milhão de espectadores às salas de cinema de todo o Brasil.

De acordo com dados divulgados pela empresa de monitoramento Rentrak nesta segunda feira, de quinta-feira até domingo, a história do êxodo bíblico já havia sido vista por 919088 pessoas nas salas brasileiras. A renda do filme no fim de semana foi de mais de R$15,2 milhões.

Dirigido por Ridley Scott, “Êxodo: Deuses e Reis” superou a animação “Operação big hero”, que ficou em 2º lugar com público de 450 mil e renda de R$ 6,5 milhões nos quatro dias. Em 3º lugar ficou a comédia brasileira “Os caras de pau”, com R$ 5,6 milhões de renda e público de 410 mil pessoas.

O sucesso do filme no Brasil seguiu a mesma tendência do que aconteceu nos Estados Unidos, onde o épico bíblico liderou as bilheterias desbancando o blockbuster “Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1”. Somente no fim de semana de estreia nos Estados Unidos o filme arrecadou US$ 24,1 milhões.

Apesar do sucesso de bilheteria, “Êxodo: Deuses e Reis” tem dividido as opiniões do público, e se tornado alvo de críticas por parte dos que esperam uma apresentação fiel ao relato bíblico. O filme também não tem empolgado os críticos, que acusam o roteiro de ser superficial dentro do que os relatos bíblicos e os registros históricos egípcios permitiriam fazer.

Fonte: Gospel +

Publicado em Cinema, Filmes, Mundo

Filme “Êxodo: Deuses e Reis” é proibido no Egito por “contar história distorcida”

filme-Êxodo-Deuses-Reis-proibido-EgitoO filme “Êxodo: Deuses e Reis”, que narra a vida de Moisés no Egito, teve sua exibição proibida pelas autoridades do Egito que afirmam que a produção conta uma história “distorcida”. O anúncio da proibição foi feito pelo chefe da censura, Abdel Sattar Fathi, que na última quinta-feira (25) afirmou que uma comissão viu uma cópia do filme e concluiu que a produção “tenta transferir informação distorcida de cenas religiosas e históricas”.

Protagonizado por Christian Bale, o filme tem como foco centrar a vida do profeta Moisés, e conta sua história desde seu nascimento através da recriação da história da libertação do povo hebraico no Antigo Egito.

Segundo o jornal “Al Watan”, ao falar sobrea proibição do filme, Fathi lamentou que a produção determine que “os judeus estiveram envolvidos na construção das pirâmides de Guiza como povo eleito por Deus” e que passe uma imagem dos egípcios como “demagogos” que “torturaram” os seguidores do judaísmo.

O chefe da censura egípcia afirmou ainda que o filme “mostra o divino através da encarnação de Deus na foto de um bebê” e tenta “manipular” o Corão.

A proibição do filme é similar ao ocorrido em março, quando a instituição religiosa Al-Azhar, a mais prestigiada do islã sunita, pediu que o país proibisse a projeção do filme “Noé”, com Russel Crowe, por considerá-lo contrário à lei islâmica.

Assim como em outros países árabes, filmes com conteúdo erótico ou religioso são examinados com lupa pela censura no Egito, que “filtra” os projetos que considera atentar contra a moral pública ou a doutrina islâmica.

Fonte: Gospel +

Publicado em Brasil, Cinema, Filmes, Vídeos

“Metanoia”: atores Caio Blat e Solange Couto estrelam primeiro filme da Cia. Nissi; Veja o trailer

metanoiaA Cia. Jeová Nissi produziu um longa-metragem baseado em fatos reais sobre um jovem usuário de drogas e todo o drama que assola a família de quem termina dependente.

O filme, que se chamará “Metanoia”, é o primeiro que a Joevá Nissi produziu, e contou com a parceria da 4U Films. O elenco conta com atores renomados nacionalmente como Caio Blat, Solange Couto e Silvio Guindane, que pela primeira vez participaram de um projeto social organizado por uma entidade religiosa.

De acordo com a assessoria de imprensa dos produtores do filme, o roteiro se inspirou na história de uma mãe de um jovem dependente, que desesperada, procurou ajuda financeira em uma igreja evangélica para construir uma jaula e confinar o filho viciado em crack.

A proposta do filme, segundo Caíque Oliveira, roteirista, ator e diretor da CIA Jeová Nissi, é chamar a atenção da sociedade para a gravidade do tema. “O filme que ainda não tem data de estreia é voltado para o público em geral, porque o crack não faz acepção de pessoas nem de classes sociais. Ele simplesmente anula pessoas roubando o que eles têm de mais importante: a dignidade”, resume o ator e diretor.

Oliveira vive o personagem central da trama, Eduardo, que tenta contornar a situação de desespero de sua mãe prometendo se manter limpo, mas é traído pela dependência e sofre constantes recaídas.

Os cenários usados no filme foram as cidades de Ibiúna (SP), o bairro Jardim Ângela, na periferia de São Paulo; e a Cracolândia, região no chamado “centro velho” da capital paulista que se tornou nacionalmente conhecida por “abrigar” milhares de dependentes químicos.

“Com o filme Metanoia, a CIA Jeová Nissi se torna a primeira companhia gospel do Brasil a fazer um longa-metragem 100% nacional. O desafio agora é conseguir uma distribuidora para colocar o filme no circuito de cinema nacional. Todas as informações deste projeto estão disponíveis na fanpage do filme em facebook.com/filmemetanoia”, informam os produtores.

Assista ao trailer do filme:

“Metanoia”

Cia. Jeová Nissi

A Cia de Artes Nissi existe há mais de 13 anos, e tem atualmente, oito peças em cartaz pelo Brasil e também em países da América Latina, Europa, Rússia e Angola, onde mantêm um orfanato para mil crianças órfãs da guerra civil. Com 10 DVD´s gravados, entre eles o “Jardim do Inimigo” – carro chefe da CIA – conta com mais de 70 artistas entre eles músicos, bailarinos e atores.

Fonte: Gospel +

Publicado em Cinema, Cultura, Filmes, Mundo

Voz de Deus será representada por um menino de 11 anos no filme “Êxodo: deuses e reis”

exodo_21O filme “Êxodo: deuses e reis”, que contará a história da fuga do povo hebreu do Egito, terá uma particularidade inserida pelo diretor Ridley Scott: a voz de Deus que se dirige a Moisés foi gravada por um menino de 11 anos de idade.

O épico, que tem estreia marcada para o dia 25 de dezembro no Brasil, mostrará a relação entre Moisés e o faraó Ramsés, preservando a narrativa bíblica de que ambos foram criados juntos pela família real egípicia.

A ideia de Scott de colocar um menino como intérprete de Deus a Moisés foi uma maneira de amenizar críticas. No filme, Deus se dirige ao líder hebreu de diversas formas, mas quando precisa falar com ele diretamente, usa um menino, Malak, que é interpretado por Isaac Andrews, que tem 11 anos.

isaac-andrews-voz-de-deus-no-filme-exodo-200x200
Ator Isaac Andrews, que interpreta a voz de Deus no filme

“Escolher uma voz para Deus é uma proposta especialmente complicada. Quando o estúdio DreamWorks Animation fez o filme “O Príncipe do Egito”, em 1998, alguns executivos do estúdio consideraram usar uma voz que iria se transformar de homem para mulher até se tornar criança, mas abandonaram a ideia por achar que ela poderia causar rejeição. Ao final, o ator Val Kilmer ficou responsável pela voz de Deus”, comentou o jornalista Kim Masters.

O próprio diretor comentou a escolha e afirmou que a Bíblia abre essa possibilidade: “Os textos sagrados não dão nenhuma descrição específica de Deus, por isso, durante séculos, artistas e cineastas tiveram de escolher a sua própria representação visual. [O personagem] Malak exala inocência e pureza, e essas duas qualidades são extremamente poderosas”, explicou Ridley Scott.

O encontro entre Moisés e Malak se dá no momento em que o profeta está na sarça ardente. O momento em que Moisés se dá conta de que o menino fala como Deus é quando ele o orienta para um debate.

O escritor William P. Young, autor de A Cabana, é um dos que escolheu representar Deus de uma maneira ousada. No livro, a figura de Deus é uma senhora negra que conversa com o protagonista sobre sua jornada de vida e seus conceitos pré-estabelecidos.

O rabino David Baron atuou como um consultor no filme e reconhece que essa representação de Deus e outros trechos do filme podem criar discussões. “Eles saíram do texto bíblico, mas o texto bíblico é muito conciso […] O resultado disso é que as pessoas irão sair do cinema e ler a Bíblia, por isso vale a pena”, ponderou.

“Êxodo: deuses e reis” custou aproximadamente US$ 150 milhões e é mais um marco da tendência de Hollywood em usar temas bíblicos para produzir longa metragens.

Fonte:  Gospel +

Publicado em Cinema, Filmes, Mundo

Ator Shia LaBeouf diz que se converteu ao Evangelho durante gravações do filme “Fúria”

shia-labeoufO ator Shia LaBeouf afirmou recentemente que se converteu ao Evangelho, mas o anúncio de sua profissão de fé causou grande polêmica devido à escola de palavras do artista.

Conhecido por seu papel nos três primeiros filmes da franquia Transformers, Shia é atualmente um dos atores mais bem pagos de Hollywood, e seus filmes costumam dar grande retorno de bilheteria aos estúdios.

Recentemente, Shia atuou ao lado de Brad Pitt nas filmagens de “Fúria” – longa metragem que narra a angústia vivida por um batalhão durante a Segunda Guerra Mundial – e seu personagem é um soldado cristão chamado Boyd “Bible” Swant.

“Encontrei Deus nas filmagens de ‘Fúria’. Transformei-me num homem cristão, e não de brincadeira, mas de um modo muito real. Podia ter me limitado a fazer as orações do script, mas acabou por ser algo muito real que me salvou”, declarou Shia LaBeouf.

A polêmica surgiu porque os termos usados na frase “não de brincadeira” foram alguns palavrões. Na cultura norte-americana, a linguagem chula que insere palavrões no meio de qualquer frase tem se tornado predominante.

Alheio às críticas pelo linguajar popular, Shia afirmou que contou com a ajuda de Brad Pitt no processo, pois o colega cresceu num lar cristão, e também do diretor David Ayers, que também é seguidor do Evangelho. Atualmente, Pitt já não se declara cristão, mas mesmo assim não se recusou a falar sobre a fé com Shia.

“Mas essas duas posições diametralmente opostas de ambos me levaram ao mesmo lugar, e eu realmente olhei para os dois homens [que eles são]. Foi bom ter conversas com Brad sobre a família, e o que ele faz para superar os desafios”, concluiu.

Antes de anunciar sua conversão, o ator havia se submetido a tratamento contra o alcoolismo. No ápice do que descreveu como “crise existencial”, Shia se envolveu numa confusão em uma boate e foi detido pela Polícia para prestar esclarecimentos.

Fonte: Gospel +

Publicado em Brasil, Cinema, Filmes

 “Deixados – o Arrebatamento”: Filme brasileiro mostrará relato do arrbatamento bíblico

deixados-arrebatamentoNo mês de agosto começou a produção do filme brasileiro “Deixados – O Arrebatamento”. O longa metragem é resultado das pesquisas do ator Andrade Sucesso, que há um ano vem pesquisando e escrevendo sobre o assunto. Tendo o arrebatamento como tema central, o filme está sendo anunciando como um relato sobre o arrebatamento bíblico nos dias de hoje.

Os produtores afirmam que o objetivo o filme tem como objetivo “alertar a sociedade que o fim está próximo, e que devemos estar preparados para o dia da volta de Jesus”. Os responsáveis pela produção alertam ainda que “muitos ainda não conhecem como será aquele dia, e esse filme apenas mostrará um relato baseado na bíblia de como será o dia do arrebatamento”.

Além dos textos do livro bíblico de Apocalipse, o roteiro da produção busca inspiração também nos livros de Daniel, Coríntios, Mateus e outros.

O filme está sendo produzido por Andrade, que é o responsável pelo roteiro, em parceria com a SA Filmes, e terá como protagonistas os atores Anselmo Gomes, Luana De Nigro e Andrade Sucesso. Além disso, a produtora está selecionando atores e figurantes para o filme.

O longa “Deixados – o Arrebatamento” está em fase de gravação e a previsão de término é dezembro deste ano. Os detalhes da produção podem ser acompanhados em sua página oficial no Facebook.

Fonte: Gospel +

Publicado em Cinema, Cultura, Filmes

Ator Carlos Bardem vive pastor brasileiro corrupto em filme mexicano exibido no Festival do Rio

carlos-bardemO Festival do Rio está apresentando, dentre outros filmes, um longa metragem mexicano chamado “González”, que tem entre seus personagens, um pastor evangélico brasileiro mau caráter.

O pastor é interpretado pelo ator espanhol Carlos Bardem, irmão mais velho do conhecido Javier Bardem, que atuou em filmes de Hollywood como “007 – Operação Skyfall” e “Comer, Rezar, Amar”.

Dentre outros motivos, Carlos Bardem foi escolhido para o papel por ter vivido quatro anos no Rio de Janeiro no final dos anos 1980, e domina a língua portuguesa. “Eu falo português como um espanhol, e meu personagem deveria falar espanhol como um brasileiro. Apostamos em um portunhol que poderia ser comum a mim e ao personagem”, comentou em entrevista à revista Veja.

O personagem de Carlos é o pastor Elias, que não tem escrúpulos e está à frente de uma denominação pentecostal no México. “Quando se pensava em um pastor carismático e ladrão, logo se pensava num brasileiro. Há ladrões em todo lugar do mundo, claro. Mas a igreja evangélica tem uma enorme potência no Brasil, que anda espalhando várias delas pelo mundo”, diz o ator, explicando o motivo de a nacionalidade do pastor corrupto ser brasileira.

O filme mostra González, uma ateu desempregado e desesperado, que se vê diante da chance de se tornar pastor e tem como modelo o corrupto Elias. Para Carlos Bardem, essa é uma história que reflete a realidade de muitas pessoas no mundo atualmente.

“González [vivido pelo ator Harold Torres] é o personagem principal, que começa a trabalhar no telemarketing e a sonhar em ser o pastor. Meu personagem [o pastor corrupto] é o antagonista, mas também o modelo do protagonista. González alucina, tem sonhos com a vida do Elías, que é um tipo de monstro. A gente está vivendo uma crise econômica mundial, o desemprego é enorme, e desemprego leva a desespero. Homens como ele vendem esperança. O filme faz uma reflexão sobre as religiões. Mostra que, se a gente ficar menos desesperado e mais indignado, buscará políticos mais honrados que nos representem, não sem-vergonhas como esse pastor que eu represento”, conclui o ator.

Fonte: Gospel +

Publicado em Cinema, Filmes, Mundo

Escritor ateu se torna cristão ao escrever livro sobre os horrores e catástrofes do século XX

escritor-ateur-jason-jones-se-torna-cristãoO produtor de cinema e escritor norte americano Jason Jones, autor do livro The Race to Save Our Century (A Corrida para Salvar Nosso Século, em tradução livre) falou recentemente em entrevista sobre o processo de escrita da obra ao lado do escritor John Zmirak. Antes ateu, Jones revelou na entrevista que se converteu ao cristianismo durante a produção do livro.

A obra literária teve como objetivo apontar cinco princípios fundamentais para evitar catástrofes do século XX, que agora podem ser evitados neste século em que vivemos. Porém, Jones conta que o trabalho envolvido na produção da obra acabou sendo um catalizador para que sua vida fosse transformada, guiando-o através da mensagem deixada por Jesus Cristo.

O ex-ateu conta que a ideia para o livro surgiu em forma de vídeo quando ele era um estudante universitário no Havaí (EUA), e tinha como objetivo incentivar seus colegas a se aprofundar no tema e fazer especialização no departamento de ciência política.

– Eu só queria derramar os horrores do século XX em dois minutos, para criar uma urgência entre os jovens na minha escola, e assim tomarem noção da importância de adentrar na ciência política – afirmou Jones, segundo o The Christian Post, ressaltando ainda que a ideia foi rejeitada por sua “faculdade de esquerda”.

Apesar da rejeição da universidade a ideia permaneceu viva, e Jones a transformou em um livro, em parceria com Zmirak. Ao longo do projeto ele afirma que descobriu o “foco” para sua vida: ajudar a criar um mundo melhor com medidas de precaução. O escritor detalha ainda que o processo em torno do livro modificou seu pensamento de ateu e libertário para cristão e conservador.

Sobre o argumento central do livro, o escritor explica que os horrores do último século são baseados em cinco ideologias do mal: o racismo e o nacionalismo; o militarismo e a “guerra total”; coletivismo utópico; individualismo radical; e o hedonismo utilitarista.

Jones e Zmirak afirmam no livro que estas ideologias propagadoras do mal podem ser exterminadas através da evolução dos pensamentos por meio de cinco princípios fundamentais: o valor único e absoluto de toda a pessoa humana; o direito natural; a defesa das instituições civis que se encontram entre povo e governo; a solidariedade; e uma economia humana.

Fonte: Gospel +

Publicado em Cinema, Filmes, Mundo

Filme “Deixados Para Trás” com Nicolas Cage muda de nome: “O Apocalipse”

o-apocalipse-o-comeco-do-fimO remake do filme cristão “Deixados Para Trás” ganhou um trailer e um novo título no Brasil: “O Apocalipse”. O longa-metragem estrelado por Nicolas Cage estreia nos cinemas do Brasil no próximo dia 09 de outubro, com distribuição da Imagem Fillmes.

O filme, dirigido por Vic Armstrong (que trabalhou como cineasta assistente em filmes como “O Espetacular Homem-Aranha”, “Thor” e “Salt”), usa computação gráfica e muitos efeitos especiais para emprestar o máximo de realismo às cenas apocalípticas narradas na série de livros best-seller escritos por Tim LaHaye e Jerry B. Jenkins.

A história do filme segue a mesma contada nos livros, onde milhões de pessoas de todas as partes do mundo desaparecem, deixando para trás coisas materiais,como roupas e acessórios. No filme, assim como nos livros, todos os bebês – inclusive os que estavam para nascer – desaparecem também. Com o caos instalado no mundo, alguns remanescentes se lembram da mensagem pregada pelos cristãos de que a Igreja seria arrebatada.

O elenco do filme é formado por Chad Michael Murray (conhecido no Brasil pela série “Lances da Vida”), que interpretará o jornalista Cameron “Buck” Williams, co-protagonista da história ao lado de Nicolas Cage, que será o capitão Ray Steele. A atriz Cassi Thomson viverá Chloe Steele, filha de Ray.

Na história, Ray e a filha enfrentam a Grande Tribulação com a ajuda de “Buck”, mas deixados para trás pela outra metade da família: sua esposa e seu filho mais novo, que foram arrebatados.

Completam o elenco do filme os atores Quinton Aaron, Jordin Sparks, Lea Thompson e Nicky Whelan.

Fonte: Gospel +

Publicado em Brasil, Cinema, Filmes, Música

Canzion lança trilha sonora do filme “Deus não está morto”

Deus-nao-esta-mortoFazem parte deste trabalho canções de artistas como Newsboys, Superchick, Jimmy Needham, Stellar Kart e outros.

A Canzion Brasil está lançando o CD com a trilha sonora do filme “Deus Não Está Morto”, um grande sucesso de bilheterias nos Estados Unidos que está sendo exibido em nosso país pela Graça Filmes em diversas salas de cinema.

Faz parte da trilha sonora canções de artistas como Newsboys, Superchick, Jimmy Needham, Stellar Kart, Tricia, JJ Weeks Band, Manic Drive e trechos da música instrumental composta por Will Musser.

Um dos destaques deste trabalho é a canção homônima ao filme da banda Newsboys, que fala em seu refrão que Deus não está morto, mas vive. A letra clama por esperança e fala sobre trazer vida aos mortos.

Outro destaque do disco é a faixa de abertura que é a música “Hold You Up” do ator e cantor Shane Harper que atua como personagem principal do filme, no caso o estudante universitário Josh Wheaton. Harper é conhecido por participar do elenco de “Good Luck Charlie” e “High School Music 2”.

O filme “Deus Não Está Morto” conta a história de um estudante universitário que é desafiado por seu professor de filosofia a provar a existência de Deus.

Fonte: Gospel Prime

Publicado em Cinema, Filmes, Mundo

Martin Scorsese dirige filme sobre a missão jesuíta no Japão do século 17

martin-scorseseRecentemente a temática religiosa tem sido uma constante na produção cinematográfica. Além do crescimento de filmes feitos por produtoras exclusivamente voltadas para o mercado evangélico, como “Deus Não Está Morto” e “O Céu é de Verdade”, cineastas conhecidos do meio secular também tem se voltado para essa temática, e lançado filmes como “Noé” e “Êxodo: Deuses e Reis”. A mais nova aposta do mercado cinematográfico nessa temática é do diretor Martin Scorsese, que está negociando com a Paramount Studios para distribuir um novo filme sobre a atuação de missionários jesuítas no Japão.

Diretor do filme “A Última Tentação de Cristo”, de 1988, que acendeu uma grande polêmica, Martin Scorsese será o diretor do drama histórico “Silence”, estrelado por Andrew Garfield e Liam Neeson, que começará a ser rodado em Taiwan no final deste ano. O filme será baseado no livro de mesmo nome publicado por Shusaku Endo em 1980.

Na trama, a ordem jesuíta envia um jovem padre português Rodrigues (Garfield) para encontrar seu mentor que está desaparecido há 10 anos. Roma acredita que o jesuíta mais velho (Neeson) pode ter renunciado à sua fé sob tortura durante a severa perseguição de missionários e cristãos convertidos.

Essa não é a primeira vez que os estúdios de Hollywood usam como temática para suas produções os esforços dos jesuítas para além da Europa. Em 1986, o filme “A Missão” contou a história real de missionários jesuítas do século 18, que morreram defendendo índios guaranis da escravidão portuguesa na América do Sul. Em “Silence”, que está programado para ser lançado em 2015, os senhores feudais japoneses são tão ameaçados pelos jesuítas como são o portugueses, em “A Missão”.

Martin Scorsese e o roteirista Jay Cocks escreveram a primeira adaptação para o livro de Shusaku Endo ainda na década de 1990. A ideia inicial era que o longa-metragem fosse produzido logo após Scorsese concluir Gangues de Nova York (2002). Porém, dificuldades para obter a aprovação do orçamento para o filme junto a alguma produtora fizeram com que o projeto fosse adiado por cerca de 15 anos. Agora, a produção ganhou força, e será lançada no próximo ano.

Fonte: Gospel +