Publicado em Pesquisa

Qualidade da pregação é fator decisivo na escolha de fiéis por uma nova igreja, diz

Existe um movimento no meio cristão que indica uma tendência de procura, por parte dos fiéis, por um conteúdo de qualidade nos sermões das igrejas evangélicas. Uma pesquisa do instituto Pew Research revelou que esse item é o principal a ser observado por quem está à procura de uma nova igreja.

A decisão por uma igreja envolve outros temas, como por exemplo, a recepção, a localização e o estilo do louvor. No entanto, a qualidade da mensagem é a que mais impacta na decisão.

Segundo informações da emissora Christian Broadcasting Network (CBN), o levantamento do Pew Research constatou que dentre as pessoas que buscam uma nova igreja, 83% apontam a qualidade da pregação como fator decisivo na escolha. Se a pesquisa for observada considerando apenas os pentecostais, esse valor sobe para 94%.

O louvor durante os cultos é fator importante para 74% dos entrevistados, e a recepção dos líderes da congregação a novos membros é vista como relevante por um número ainda maior: 79%.

A localização do templo é apontada por 70% dos fiéis entrevistados como um fator de influência na decisão pela adoção de uma nova congregação.

Valores agregados

Os entrevistados apontaram outros fatores de valor agregado que influenciam na decisão de escolha.

Programas de educação infantil foram descritos por 56% dos entrevistados como relevantes, assim como os novos amigos feitos na congregação (48%), e as oportunidades de participar dos ministérios (42%).

Motivação

O Pew Research perguntou aos entrevistados sobre os motivos que impulsionam os fiéis a trocarem de igreja, e 45% dos entrevistados apontaram a mudança do endereço da antiga igreja como a principal razão de procura por uma nova.

Divergências com a igreja foram o motivo apontado por 15% dos entrevistados, casamento ou divórcio (14%) e outras razões (23%).

A pesquisa revelou que existem dois grupos entre os que procuram uma nova igreja: os que tiveram a ideia de mudar de denominação ao conhecer uma nova igreja (48%) e os que já se identificavam com outra congregação (49%) antes de saírem à busca.

No relatório, os dados destacam que 51% dos cristãos frequentam cultos regularmente, indo uma ou duas vezes por mês ao templo; 27% disseram ir com maior frequência hoje do que quando eram mais jovens; e 22% vão menos do que em outros momentos anteriores.

Fonte: Gospel +

Anúncios
Publicado em Ciência, Mundo, Pesquisa

Estudo afirma que perdoar faz bem à saúde 

Segundo um estudo realizado por pesquisadores da Luther College e da Universidade da Califórnia perdoar faz bem à saúde por proteger as pessoas dos males causados pelo estresse.

Para chegar à essa conclusão, os pesquisadores entregaram questionários para 148 jovens adultos para avaliarem os níveis de estresse durante a vida, a tendência para perdoar e a saúde física e mental de cada um.

Com o resultado, os estudiosos identificaram que mesmo passando por níveis de estresse, os problemas físicos e mentais não apareciam em quem conseguia perdoar (a si e aos outros).

O professor de psicologia na Luther College, Loren Toussaint, afirmou que nos indulgentes os efeitos maléficos do estresse desapareciam. “O ato de perdoar funciona como uma espécie de amortecedor contra o estresse. Se você não tem tendência para perdoar, sente os efeitos brutos do stress de forma absoluta”, disse ele que é o principal autor do estudo.

O estudo não é suficiente para dizer que o perdão protege a saúde, porém com ele é possível afirmar que as pessoas tolerantes conseguem lidar melhor com as adversidades da vida e reagem de forma mais suave diante das situações estressantes do dia a dia.

“O perdão elimina a conexão entre estresse e doença mental. Eu acho que a maioria das pessoas quer se sentir bem e o perdão lhes oferece essa oportunidade”, conclui Toussaint.

A pesquisa foi publicada no periódico científico Psychology Journal of Health, citado na revista americana Time e também na revista Veja. 

Fonte: Gospel Prime 

Publicado em Mundo, Pesquisa

Pesquisa comprova queda no número de cristãos nos Estados Unidos e crescimento de ateus

Uma pesquisa realizadateusa nos Estados Unidos confirmou uma tendência que vem sendo notada nos últimos anos: o número de pessoas que se definem como “sem religião” está crescendo.

O levantamento, realizado pelo instituto Pew Research Center, mostra que entre os adultos, o número de cristãos norte-americanos está caindo, enquanto os ateus e agnósticos cresceu entre os anos de 2007 e 2014.

As pessoas que se encaixam no perfil dos “sem religião” subiu de 16,1% em 2007 para 22,8% no ano passado, um Pesquisa comprova queda no número de cristãos nos Estados Unidos e crescimento de ateus
crescimento de 6,7%. A margem de erro da metodologia escolhida pelo Pew Research Center é de 0,6 em ambos os sentidos.

No mesmo período, o número de adultos cristãos registrou queda de 7,8%, enquanto os adeptos de judaísmo passaram de 1,7% para 1,9%. Já no islamismo, os fiéis cresceram de 0,4% para 0,9%, um aumento superior a 100% em sete anos.

Dentre as denominações cristãs mais conhecidas, a única que registrou aumento no número de fiéis foi a Testemunhas de Jeová, que subiu 0,1%, chegando a 0,8%.

As entrevistas foram feitas pelo instituto por telefone, com 35.071 adultos, entre os dias 04 de junho e 30 de setembro de 2014.

Dentre os “sem religião”, ateus e agnósticos somam 31%, contra 25% em 2007. Os que não aderem a nenhuma filosofia, identificados como pessoas que não dão importância para a religião, são 39% do grupo.

Segundo estimativas do instituto, os adultos sem religião chegaram a 56 milhões de pessoas nos Estados Unidos, um crescimento de 19 milhões em sete anos. Destaca-se o fato de que esse grupo soma um número maior do número de fiéis das denominações luterana, metodista unida e episcopal.

“Agora é impossível a um ateu achar que está sozinho no mundo”, disse David Silverman, presidente da associação Ateus Americanos.

Gospel +

Publicado em Brasil, Pesquisa

Com maioria cristã, Brasil e México lideram ranking de adultérios em lista com 21 países

adulterioBrasil e México são países da América Latina formados por ampla maioria cristã e com características semelhantes além da religião. Além de terem, em sua sociedade, a presença de católicos e evangélicos, ambos compartilham a liderança no número de casos de adultério.

No Brasil, embora com quedas significativas nos últimos anos, os católicos são maioria (65%), seguidos pelos evangélicos, que atualmente equivalem a 23% da população. No México, a maioria católica é ainda mais ampla: 83% contra 7,5% dos evangélicos em geral.

Um levantamento feito por um site de encontros para pessoas casadas descobriu que em média, mexicanos e brasileiros que se relacionam fora do casamento mantém seis ou mais amantes por ano.

Para que o estudo tivesse uma abrangência ampla, foram ouvidas 83.598 pessoas usuárias do site Victoria Milan, em 21 países. Em 13 desses países, a média de amantes que as pessoas buscam gira em torno de dois a três por ano, segundo informações do Diário do Aço.

“Os resultados mostram que a maior parte das pessoas procurando algo fora de seu relacionamento estável gostam do mistério e paixão associados a novos namoricos. Elas gostam de apimentar suas vidas sem o compromisso de algo mais sério, explicando assim o descomprometimento para com um mesmo amante por um ano completo, sendo que a maior parte já encontra felicidade em seu relacionamento estável, embora haja sempre exceções, que neste caso são o Brasil e o México”, afirmou Sigurd Vedal, fundador e executivo site.

Entre os brasileiros que frequentam o site à busca de um relacionamento extraconjugal, 38% diz se envolver com 6 ou mais amantes ao longo de um ano; enquanto 29% relatam dois ou três; 21% estimam em quatro ou cinco; e 12% optam por se envolver com apenas uma pessoa fora do matrimônio.

O questionário foi enviado a usuários da Austrália, África do Sul, México, Peru, Brasil, Alemanha, Polônia, Suíça, França, Portugal, Nova Zelândia, Argentina, Espanha, Holanda, Irlanda, Grécia, Bélgica, Áustria, Inglaterra, Itália e República Checa.

A maioria religiosa na maior parte dos países listados acima é cristã, sendo fortíssima a presença da Igreja Católica em vários deles, como Espanha, Itália, Argentina, Irlanda, entre outros. Os protestantes possuem grande representação em locais como Austrália, Reino Unido e Holanda, por exemplo.

Fonte: Gospel +

Publicado em Ciência, Mundo, Pesquisa

Carta em que Einstein reconhece que o mundo é uma “criação elegante” de Deus será leiloada

carta-postal-albert-einstein-deusO físico judeu alemão Albert Einstein era conhecido por sua visão prática sobre a religião e a ciência, e por muitas vezes, foi descrito como ateu. No entanto, ele mesmo discordava dessa visão e deixou alguns registros de sua fé particular e peculiar.

Agora, uma carta escrita por ele para o colega italiano Giovanni Giorgi está sendo leiloada, e o preço mínimo esperado pela casa de leilões é de US$ 55 mil.

Mas, o que há na carta de tão especial? A missiva escrita na época em que Einstein lecionava em Roma contém uma afirmação do físico sobre Deus e sua Criação.

“Deus criou o mundo com muita elegância e inteligência”, diz trecho da carta escrita a próprio punho no dia 12 de julho de 1925.

O texto mostra que os colegas conversavam sobre suas experiências científicas, pois Einstein entra em detalhes sobre algumas de suas pesquisas, e ao final, conclui dizendo que adquiriu certeza sobre uma de suas mais famosas teses: “Eu não tenho dúvidas sobre a validade da teoria da relatividade”.

A carta, curta, foi escrita no verso de um cartão postal, em que o famoso físico assinou como “Suo A. Einstein”, algo como “de seu A. Einstein” em português.

Einstein possuía uma relação de idas e vindas com a Itália. Por lá, viveu com sua família quando tinha entre 15 e 16 anos, e falava e escrevia fluentemente o idioma. Já Giovanni Giorgi ficou conhecido internacionalmente e na Itália em seu tempo como uma autoridade em eletromagnetismo, de acordo com informações da agência Ansa.

A carta que será leiloada pertencia a um colecionador da França, que obteve o manuscrito de um colega italiano que coleciona artigos científicos.

carta-albert-einstein-deus

Fonte: Gospel +

 

Publicado em Ciência, Mundo, Pesquisa

Exemplar de 1.700 anos da Bíblia não possui fala de Jesus sobre “atirar a primeira pedra”

biblia-1700-anosUm manuscrito da Bíblia Sagrada datado do século IV escrito em grego foi apresentado pela Biblioteca Apostólica Vaticana e mostra diferenças significantes em relação a dois evangelhos.

O exemplar, considerado um dos mais importantes e antigos exemplares da Bíblia cristã, não tem trechos de discursos de Jesus presentes em outras versões, o que suscitou a especulação de que tais falas tenham sido inseridas posteriormente. Uma versão digital do manuscrito foi disponibilizada online.

A primeira ausência é verificada no livro de Marcos, quando Jesus ressuscitado teria dito aos discípulos para espalharem a mensagem do Evangelho por todo o mundo.

“E disse-lhes: “Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Estes sinais acompanharão os que crerem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal nenhum; imporão as mãos sobre os doentes, e estes ficarão curados”. Marcos 16:15-18.

O segundo trecho em que há diferenças substanciais em relação à Bíblia Sagrada como conhecemos está no livro de João, no capítulo 8. No manuscrito em grego não há a reflexão proposta por Jesus aos acusadores: “Se algum de vocês estiver sem pecado, seja o primeiro a atirar pedra nela”. João 8:7.

De acordo com informações do jornalista Reinaldo José Lopes, da Folha de S. Paulo, existem outros trechos do manuscrito que são diferentes ou não existem se comparados com as Bíblias mais atuais.

 “Isso levou muitos especialistas a postular que o atual final de Marcos é uma “versão estendida” inserida por um autor que viveu depois do evangelista. E, no Evangelho de João, a famosa cena da adúltera e do “atire a primeira pedra quem não tiver pecado” também não consta desse manuscrito, o que também indicaria que esse trecho não foi escrito por João”, opinou Lopes.

Porém, não há informações concretas sobre o local em que o manuscrito foi escrito, embora existam indícios que apontam para o Egito. Também não existem provas de que o texto no manuscrito é um compilado fiel às demais Bíblias da época em que foi confeccionado, há aproximadamente 1.700 anos.

Fonte: Gospel +

Publicado em Ciência, Mundo, Pesquisa

Arqueólogos descobrem tabuletas que confirmam narrativa bíblica do exílio judeu na Babilônia

tabuleta-hebraica-babilonia-e1424094198864Uma expedição de arqueólogos localizou mais de 100 tabuletas com relatos do exílio do povo hebreu na Babilônia há aproximadamente 2.500 anos. O achado histórico reitera as narrativas bíblicas sobre o período.

Segundo Filip Vukosavovic, pesquisador especializado na Babilônia antiga, Suméria e Assíria, as tabuletas possuem o tamanho da palma da mão de um adulto e mostram em detalhes a rotina dos judeus por volta de 600 a. C.

“Nós começamos a ler as placas e em poucos minutos estávamos absolutamente atordoados. Elas preenchem uma lacuna crítica na compreensão do que estava acontecendo na vida dos judeus na Babilônia mais de 2.500 anos atrás”, disse Filip.

A expedição pelo Iraque chegou à conclusão de que o rei Nabucodonosor não tratava os judeus da mesma forma que o povo havia sido tratado séculos antes pelos faraós. “Eles não eram escravos”, disse o arqueólogo.

Durante suas investidas militares para aumentar seu império, o rei babilônio fez incursões contra Israel, e uma delas, em 586 a. C., coincidiu com a destruição do primeiro Templo, construído por Salomão em Jerusalém. Nessas circunstâncias, ele forçou os judeus a migrarem para a capital do império babilônico.

“Nabucodonosor não era um governante brutal em relação a isso [bem-estar dos povos conquistados]. Ele sabia que precisava dos judeus para reanimar a economia babilônica”, acrescentou Filip, citando como exemplo o posto ocupado por Daniel, um judeu que se tornou braço-direito do rei.

De acordo com a agência Reuters, as tabuletas também descrevem a vida de uma família judaica ao longo de quatro gerações, começando com o pai, Samak-Yama, passando para seu filho, depois o neto e o próximo neto com cinco filhos, todos eles batizados com nomes hebraicos bíblicos.

“Nós até sabemos os detalhes da herança feita para os cinco bisnetos”, disse o arqueólogo.  “Por um lado são detalhes chatos, mas por outro, você aprende muito sobre quem são essas pessoas exiladas e como viviam”, acrescentou.

As peças estão em exposição no Museu Terras da Bíblia, em Jerusalém, numa mostra chamada “Os rios da Babilônia”. Para Filip Vukosavovic, elas formam um achado que complementa o quebra-cabeça de seu período histórico, e ajudou a descobrir um dos fatores que levaram os judeus a se espalharem pelo mundo, pois quando os babilônios permitiram que o povo hebreu retornasse a Jerusalém, em 539 a. C., uma parcela escolheu permanecer e fundou uma comunidade judaica forte, que permaneceu sólida durante 2.000 anos.

Fonte: Gospel +

Publicado em Ciência, Pesquisa

Pesquisadores dizem que Universo não surgiu no Big Bang. Ele sempre existiu

universoUma nova linha de pesquisa sobre as origens do Universo reviu a Teoria do Big Bang, amplamente aceita no meio científico, e determinou que o modelo proposto pelo físico Georges-Henri Édouard Lemaître não pode ter existido.

Em resumo, a “hipótese do átomo primordial”, apelidada deTeoria do Big Bang, usa elementos da Teoria da Relatividade, desenvolvida por Albert Einstein, para sugerir que a explosão de um ponto infinitamente denso tenha gerado expansão de matéria e criado o Universo como se conhece hoje.

Agora, pesquisadores da Universidade Benha, do Egito, revisaram a teoria, inserindo correções quânticas na Teoria da Relatividade de Einstein, e chegou à conclusão de que o Universo não começou, mas sempre existiu.

“A singularidade do Big Bang é um problema para a relatividade, porque as leis da física já não fazem sentido pra ela”, disse Ahmed Farag Ali, pesquisador coautor do estudo ao lado de Saurya Das, da Universidade de Lethbridge, no Canadá.

A dupla de cientistas mostrou que esse problema pode ser resolvido se acreditarmos em um novo modelo, no qual o Universo não teve começo – e não terá fim. Nesse ponto, a tese dos pesquisadores se assemelha ao princípio de eternidade apresentado na Bíblia e item descritivo de Deus, aquele que “É, Foi e sempre há de Ser”.

Segundo informações da revista Galileu, os físicos se apressaram em explicar que o estudo não eliminou a singularidade de Big Bang. O trabalho do físico David Bohm – que nos anos 1950 explorou o que acontecia se substituíssemos a trajetória mais curta entre dois pontos numa superfície curva por trajetórias quânticas – foi usado como inspiração.

Ali e Das aplicaram as trajetórias Bohminanas a uma equação que explica a expansão do universo dentro do contexto da relatividade geral, e a partir disso, criaram um novo modelo que contém elementos da teoria quântica e da relatividade geral.

Agora, a dupla espera que essa nova tese se mantenha mesmo quando uma teoria completa da gravitação quântica for formulada. Para Ali e Das, o Universo tem um tamanho limitado, e essa possibilidade abre espaço para a conclusão de que sua idade seja infinita, pois essa linha teórica combina com outras medições de constantes cosmológicas e de densidade.

 “É satisfatório saber que essas correções podem resolver tantos problemas de uma vez”, afirmou Das.

O próximo passo dos físicos é analisar perturbações anistrópicas no Universo, levando em consideração a matéria escura e a energia escura. No entanto, eles acreditam que os próximos cálculos não afetarão os resultados atuais, apenas os complementarão.

Fonte: Gospel +

Publicado em Pesquisa

Homens ofertam mais vezes e mulheres entregam valores maiores, diz pesquisa

dizimoO estudo também mostrou que a maioria dos evangélicos e evangélicas não aceita contribuir com igrejas através de doações online.

O site de relacionamento Divino Amor, parceiro do portal Gospel Prime no Prime Encontros, realizou uma pesquisa sobre a doação de dinheiro feita pelos solteiros e solteiras que participam do site.

Mais de 1 mil pessoas participaram da pesquisa que mostrou que os homens ofertam mais que as mulheres, mas as mulheres entregam valores mais altos. Segundo o levantamento, dos 1.020 entrevistados, 42,11% dos homens e 46,55% das mulheres ofertam pelo menos uma vez por semana.

Os valores oferecidos pela maioria dos homens são de R$ 2,00 a R$ 10,00, já entre as mulheres os valores são entre R$ 50,00 e R$ 100,00.

O Divino Amor também revelou que 58% das mulheres e 59,46% dos homens só entregam ofertas e o dízimo porque está escrito na Bíblia. Para o pastor Antônio Júnior, consultor de relacionamento do Divino Amor, é preciso que os fiéis entendam que o ato de entregar ofertas e o dízimo é uma ordenança bíblica e não imposição das igrejas evangélicas.

“As pessoas precisam entender que o dízimo e ofertas não são impostos pela igreja ou pastor, mas sim um fundamento bíblico para aqueles que creem na Palavra de Deus. Com a tecnologia dos dias de hoje, é normal que surjam ferramentas para facilitar a vida dos dizimistas e ofertantes”, analisa.

Outro dado relevante é que 91,89% dos homens e 90% das mulheres não têm interesse em utilizar o cartão de crédito pela internet para fazer suas ofertas. O cartão de crédito para entrega do dízimo via web também não é uma ideia aceita por 93,75% dos homens entrevistados e nem por 86% das entrevistadas.

“A única diferença entre devolver os dízimos e ofertas na igreja ou através de um sistema online, é a praticidade, pois o ato de obediência e fé são os mesmos. A Bíblia diz em 2 Coríntios 9:7 que Deus vê a intenção do coração: ‘Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria’”, ensina o pastor.

Fonte: Gospel Prime

Publicado em Brasil, Pesquisa

Assembleia de Deus terá operadora de celular

celular-assembleianoA empresa vai vender chips da Vivo e poderá oferecer planos e serviços exclusivos para ganhar dinheiro dos assembleianos.

A Alô Serviços de Telefonia Móvel, empresa ligada à Igreja Assembleia de Deus, recebeu a autorização da Anatel para atuar como credenciada de celular da rede da Vivo.

A decisão foi anunciada na sexta-feira passada (30) no Diário Oficial da União autorizando o início dos trabalhos. A empresa tem licença de MVNO (sigla em inglês para Mobile Virtual Network Operator) revendendo chips da Vivo e agora poderá oferecer aos clientes serviços e tarifas próprias, sendo a primeira licença do tipo a ser concedida.

Segundo o jornal Valor Econômico, a nova MVNO pretende atrair 1,2 milhão de clientes no primeiro ano de operação vendendo chips entre R$ 8 e R$10. Mas o público alvo da empresa são os 18 milhões de assembleianos espalhados pelo país. Não se sabe ainda a qual ministério assembleiano a empresa está vinculada.

Quem formulou a estratégia de operação da Alô Serviços foi Ricardo Knoepfelmacher, ex-presidente da Brasil Telecom, em conjunto com Raul Aguirre, consultor com muitos anos de experiência em telecomunicações. Juntos conseguiram aprovação da Assembleia de Deus e transformaram a empresa em Alô AD, dando à igreja uma parte do resultado do negócio.

Entre os serviços oferecidos pela Alô AD estão: canal com pastor de sua região, Salmo do Dia através do telefone, consultar agenda da igreja local, encontrar o templo mais próximo, e ainda alguns jogos temáticos e uma central de atendimento formada por pessoas da comunidade.

O Brasil conta com quatro empresas de MVNO operando. Além da Alô AD, temos a Porto Seguro e Datora Telecom – esta última incorporada pela Vodafone do Brasil – e a Terapar. As primeiras atuam na rede da TIM e da Vivo, e a última atua na rede da CTBC.

Fonte: Gospel Prime

Publicado em Brasil, Pesquisa

79% dos brasileiros é contra descriminalização do aborto, diz Ibope; Advogado diz que proposta de legalização é simplista

?????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????A discussão sobre o aborto no Brasil está longe de um consenso, e talvez nunca chegue ao fim, devido ao empenho de ativistas pró-legalização da prática em manter o debate aberto. No entanto, apesar da alegada defesa da liberdade de decisão para mulheres, a maioria dos brasileiros é contra.

Uma pesquisa realizada pelo Ibope descobriu que apenas 16% dos brasileiros é a favor da legalização do aborto. A maioria, 79%, não aprova a interrupção dos partos por acreditar que a preservação da vida é um princípio do qual não se pode abrir mão.

De acordo com informações do Tribuna Hoje, os defensores da legalização do aborto argumentam que a discussão deve ser em torno da priorização da saúde, visto que muitas mulheres optam por clínicas clandestinas para não levar adiante gestações indesejadas, e isso termina, muitas vezes, em morte.

“A discussão tem que ser encarada, de frente; é polêmica, mas é preciso esgotar todas as questões que o debate envolve. Não dá para continuar as mulheres morrerem jovens por causa disso […] Tem que ser pelo direito à saúde, a definir o que é que a mulher quer do seu corpo e ser tratada como cidadã de direitos e exercê-los em qualquer situação”, argumenta Girlene Lázaro, secretária da Mulher da Central Única dos Trabalhadores (CUT) de Alagoas.

Segundo a CUT, 13% das mulheres que optam por abortos realizados de maneira clandestina terminam mortas, e boa parte das que sobrevivem, enfrentam sequelas.

Contrário à legalização do aborto, o advogado Mirabel Alves, secretário de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Alagoas, diz que não há como “dizer qual seria a saída para tantos problemas envolvendo o tema, uma vez que se trata de problema de alta complexidade que, além de tratar da vida e da morte, envolve discussões sobre políticas de saúde pública, de educação, de cultura e, sobretudo de natureza espiritual”.

Alves, que é evangélico, diz que a legalização do aborto é uma solução simplista para um problema amplo e diverso: “Basta olhar para cada família brasileira, especialmente as de baixa renda e notar o quanto a nossa juventude está exposta a uma série de ataques que vêm, através da mídia, especialmente no conteúdo erótico exibido diariamente na televisão, bem como nas músicas populares, o que serve de estímulo para a prática do sexo sem proteção e sem consequência, o que leva muitas jovens, adolescentes e até crianças a engravidarem fora do momento, ocasião e condições adequadas”, pontua.

Em sua conclusão, Mirabel Alves observa que a oferta de educação, saúde preventiva, cultura de qualidade e outras políticas inclusivas poderia mudar a realidade e o número de mortes por abortos: “Nós teríamos uma sociedade mais justa e por consequência mais pacificada, lembrando aquela máxima que diz que o fruto da justiça é a paz”.

Fonte: Gospel +

Publicado em Mundo, Pesquisa

“Indiana Jones judeu” diz saber onde está a Arca da Aliança

indiana-jonesArqueólogo afirma que existe um túnel que leva até câmara secreta.

A Arca da Aliança é o artefato mais sagrado e significativo do judaísmo. De grande importância religiosa e histórica, passou a fazer parte do imaginário popular após o lançamento do filme Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida.

O especialista em TI Harry Moskoff, que também é arqueólogo e cineasta amador, recebeu o apelido de “Indiana Jones judeu”. Ele dedicou os últimos 25 anos de sua vida para descobrir a localização dessa “Arca Perdida”.

Em entrevista ao site Israel News, conta que já se reuniu com diversas autoridades rabínicas e arqueológicos de renome mundial em busca de informações. Revestida de ouro puro, a Arca foi construída por orientação de Deus e fez parte da peregrinação dos judeus no Êxodo durante 40 anos.

Era a peça mais importante no Templo de Salomão e ficava no local chamado santo dos santos. Segundo a Bíblia, representava a presença do próprio Deus. Foi vista pela última vez no ano 586 a.C., quando os babilônios conquistaram Jerusalém e destruíram o Templo. O que aconteceu com a Arca permanece um mistério até hoje.

Moskoff acredita que está muito perto de encontrar a verdadeira localização da Arca, afirmando que ela está enterrada no Monte do Templo. Sua teoria, com base em evidências históricas, arqueológicas, topográficas e bíblicas, é que quando encontrar-se a verdadeira localização do Santo dos Santos, a caixa de ouro estará em uma câmara secreta, construída diretamente abaixo, numa sala construída pelo rei Salomão. Segundo tradições judaicas, o rei previu a destruição do Templo e teria edificado esse local como segurança.

Harry Moskoff, o “Indiana Jones judeu”. 
Harry Moskoff, o “Indiana Jones judeu”.

De modo geral, acredita-se que a mesquita chamada de “Domo da Rocha” foi construída sobre o local do Templo. Porém, eruditos judeus argumentam que Deus jamais permitiria qualquer edifício ser construído em cima do Santo dos Santos. Moskoff afirma ter estudado a fundo a estrutura do Monte Moriá, nome que os judeus dão ao local. Ele explica que vários historiadores conhecidos afirmam saber a localização exata do templo judaico, contudo “algumas coisas simplesmente não faziam sentido com a topografia original da montanha”.

Sua opção foi manter-se fiel ao relato bíblico e ao livro “À Sombra do Templo” (1982), do famoso arqueólogo israelense Meir Ben-Dov. Um dos trabalhos mais conhecidos de Ben-Dov foi a descoberta de um túnel mencionado nas escrituras judaicas que era usado pelos sacerdotes que estavam “ritualmente impuros”.

“O túnel foi construído na parte sul do Monte. Conduz a um banheiro ritual. Este lugar é descrito no Talmude. Ele (Ben-Dov) descobriu que túnel existe até hoje, da mesma maneira como foi descrito”, disse Moskoff. “Este túnel foi bloqueado há 150 anos e é claro que muitos querem que permaneça fechado. Mais de 2.000 anos depois, o túnel continua inteiro. Se passarmos por esse túnel, ele nos levará até a localização exata do Templo”, comemora.

Para Moskoff o problema é que a maioria dos arqueólogos não são religiosos e minimizam os relatos das Escrituras como fatuais. Por isso não acharam a arca até hoje. “Nenhum deles está procurando a Arca de uma perspectiva verdadeiramente judaica, tradicional e bíblica, conciliando todas as fontes”, defende Moskoff

O principal empecilho para que possa mostrar ao mundo se tua teoria está correta é o fato de as escavações sob o Monte serem proibidas. O local, que também é sagrado para os muçulmanos, é administrado pela Waqf, ligado ao governo da Jordânia.

Perguntado sobre por que dedicar-se tantos anos por algo que não pode provar, Moskoff explica que entende que a revelação da arca está ligada ao cenário dos últimos dias, quando o Templo será reerguido.

“Quando se fala sobre a Arca, não pode deixar de falar sobre o que está acontecendo hoje em Israel. Quase todos os dias, Jerusalém e o Monte do Templo estão nas manchetes. Ao descobrir a Arca ou mesmo outros artefatos relacionados ao Templo poderia iniciar uma revolução”, disse ele.

Ele produziu um documentário explicando sua teoria detalhadamente. Também criou um site para divulgar suas descobertas.

Fonte: Gospel Prime

Publicado em Ciência, Mundo, Pesquisa

Russos constroem “Arca de Noé” para resistir ao Apocalipse

Russos constroem “Arca de Noé” para resistir ao ApocalipseProjeto irá guardar DNA de todos os seres vivos da Terra.

A Universidade Estatal de Moscou (MSU), na Rússia, recebeu cerca de 161 milhões de euros para criar o primeiro acervo mundial reunindo material genético de todas as espécies conhecidas, vivas e extintas.

Chamado de “Arca de Noé”, o projeto terá uma área de 430.000 metros quadrados. Deve ficar pronto em 2018 e será algo único no mundo. O reitor da MSU, Viktor Sadivnichy, explicou que “[O projeto] vai envolver a criação de um depósito (um banco de dados) que armazenará o DNA de todas as criaturas vivas da Terra. Não apenas as que ainda existem, mas as que estão em vias de extinção e as que já desapareceram”.

“[A arca] permite que congelemos e armazenemos criogenicamente vários materiais celulares, que poderão eventualmente ser reproduzidos e todos sistemas de informação sobre eles”, esclareceu.

Isso indica que os russos teriam condições de hipoteticamente clonar qualquer animal ou planta no futuro. Quando estiver pronta, a “Arca” ultrapassará o “zoológico congelado”, projeto do Zoo de San Diego (EUA) e o Projeto Frozen Ark, no Reino Unido. Atualmente, o Museu Nacional de História Natural dos EUA é o maior depósito de material biológico do planeta, com mais de 4,2 milhões de amostras genéticas.

Os russos pretendem tomar esse posto, mas esclarecem que desejam coordenar esforços para unir todas essas bases de dados para que, na eventualidade de uma catástrofe global, a vida na Terra seja recriada. Ou seja, seria um seguro contra o “fim do mundo”. Com informações Daily Mail

Fonte: Gospel Prime

Publicado em Ciência, Mundo, Pesquisa

Extinção da humanidade está perto, diz relógio do Apocalipse

relógio do ApocalipseCientistas pedem para que os líderes mundiais ajam com rapidez para evitar que uma grande catástrofe aconteça.

O Relógio do Juízo Final foi adiantado em dois minutos na última semana, indicando o horário de 11h57, simbolizando que a extinção da humanidade está próxima. O símbolo foi criado em 1947 pelo Boletim dos Cientistas Atômicos, uma associação que conta com 18 prêmios Nobel entre seus membros.

Os dois minutos que foram adiantados mostram a iminência de um cataclisma planetário, caso os países não tomem medidas urgentes contra o aquecimento global e contra a corrida armamentista nuclear.

O relógio se aproxima da meia-noite, o que quer dizer que está muito perto o fim da humanidade. Mas essa não é a primeira vez que os cientistas adiantaram os ponteiros do pêndulo do Apocalipse, em 1953 os ponteiros marcavam dois minutos para meia-noite e em 1991 ficou em 17 minutos para meia noite. O horário de 11h57 foi registrado também em 1983 durante a Guerra Fria.

A última alteração dos ponteiros foi feita em 10 de janeiro de 2012 quando os cientistas marcaram cinco minutos para a destruição do mundo.

Agora o aquecimento global e a corrida armamentista têm preocupado os cientistas. “Hoje em dia, o aquecimento global descontrolado e a corrida armamentista nuclear, como resultado da modernização de enormes arsenais, são ameaças extraordinárias e inegáveis para a sobrevivência da humanidade”, avaliou Kennette Benedict.

A decisão de adiantar o relógio foi tomada para alertar as lideranças internacionais. “E os líderes mundiais não agiram com a rapidez nem a abertura necessária para proteger os cidadãos de uma potencial catástrofe”, explicou o cientista. Com informações AFP

Fonte: Gospel Prime

Publicado em Ciência, Mundo, Pesquisa

Encontrado manuscrito mais antigo do Novo testamento

mascara-de-mumiaFragmento estava em máscara de uma múmia.

Cientistas encontraram a cópia mais antiga de um Evangelho dentro de uma tumba egípcia. O fragmento em papiro do Evangelho de Marcos fazia parte da máscara de uma múmia e foi achada três anos atrás. Porém, somente agora conseguiram comprovar que é autêntico. Trata-se de uma dentre as centenas de documentos analisadas pela equipe de Craig Evans, doutor em Estudos Bíblicos, ligado à Universidade Evangelista de Acadia, no Canadá.

O grupo comandado por Evans reúne mais de 30 especialistas. Oficialmente, este é o manuscrito do Novo Testamento mais antigo de que se tem conhecimento. Testes indicam que ele foi escrito entre o ano 80 e 90 d.C. Até recentemente, as cópias mais antigas eram do segundo século depois de Cristo. A datação do material é realizada utilizando-se o isótopo carbono-14.

O papiro era um material muito caro na época e alguém reutilizou o material na confecção da máscara funerária provavelmente sem saber do que se tratava. Segundo a tradição, o evangelista Marcos escreveu seu evangelho em Roma, seguindo o relato do apóstolo Pedro.

Como essa cópia chegou ao Egito? “No antigo Império Romano, o correio tinha a mesma velocidade de hoje em dia. Uma carta escrita em Roma poderia chegar a um destinatário no Egito poucas semanas depois. Marcos escreveu seu evangelho no final da década de 60 d.C. Logo, seria possível encontrar uma cópia dele no Egito 20 anos depois”, esclarece Evans.

O especialista relata inda que as máscaras funerárias de papiro eram comuns entre a população mais pobre, nada tendo a ver com as luxuosas máscaras de ouro dos faraós. Usando uma técnica delicada, eles eliminam as camadas de tinta, dissolvem a tinta para então ler o conteúdo do material, mesmo após milhares de anos.

“Estamos recuperando vários documentos antigos, do primeiro, do segundo e do terceiro século depois de Cristo. Não apenas documentos bíblicos. Há também textos gregos clássicos ou cartas pessoais”,asseverou ele ao site LiveScience. O que diz o trecho recuperado somente será revelado quando todas as descobertas forem publicadas em uma revista especializada, o que deve ocorrer nos próximos meses.

Um dos principais debates entre os especialistas é que o fragmento poderá mostrar se houve algum tipo de alteração nos fragmentos do Evangelho de Marcos datados de séculos posteriores. Como papiro dura muito tempo, os cientistas acreditam que “um escriba podia fazer uma cópia de um texto no terceiro século tendo à sua disposição (os) originais do primeiro século, ou cópias do primeiro século, ou ainda cópias do segundo século”.

Fonte: Gospel Prime

Publicado em Brasil, Pesquisa

Pesquisa aponta aumento no número de igrejas evangélicas que apoiam o casamento gay

casamento-gayO número de igrejas evangélicas que apoia o casamento gay aumentou consideravelmente na última década. Pelo menos é o que aponta uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa de Religião Pública, nos Estados Unidos.

Segundo a pesquisa, nos últimos anos os evangélicos têm mudado de opinião sobre o assunto, e muitos não se posicionam mais com completa oposição ao casamento gay, como é defendido por muitos religiosos cristãos que veem o homossexualismo como um grave pecado.

A pesquisa mostra que a mudança de opinião mais considerável em torno do polêmico assunto se encontrada entre os jovens evangélicos, já que seu apoio saltou de 20% em 2003, para 42% em 2014. Inclusive, a prática já é aceita em várias denominações nos Estados Unidos, e também no Brasil. Um dos exemplos dessa mudança de visão é o pastor Ryan Meeks, de 36 anos, da mega igreja EastLake, em Seattle, EUA.

– Eu me recuso a ir em uma igreja onde meus amigos que são gays sejam excluídos da comunhão, da aliança do casamento ou da beleza da comunidade cristã. Para mim, a mensagem de Jesus eram mensagens de grande inclusão – afirma Meeks, que afirma que a igreja está atrasada, e que encara a mudança como heresia – colocando o que a própria Bíblia diz em jogo.

– Cada movimento de reforma na história da igreja é rotulado como primeira heresia. O pentecostalismo está atrasado nisso. Temos uma dívida para pagar – completou o pastor, segundo a revista Time, defendendo uma nova forma de encarar a mensagem cristã.

Porém, o casamento gay ainda tem fortes opositores nas fileiras cristãs, como o pastor Russell Moore, que faz parte da Comissão de Ética da Convenção Batista do Sul, e acredita que os que defendem o casamento gay não são evangélicos, mas revisionistas que não apoiam a autoridade bíblica tradicional.

Ao criticar o que é defendido por muitos como uma “nova forma” de interpretar a Bíblia pela ótica das mudanças na sociedade, Moore diz que os pontos de vista cristãos sempre estarão totalmente fora da lógica da sociedade.

O pastor Rick Warren, da Igreja Saddleback, na Califórnia, também defende que a igreja cristã deve permanecer firme em sua oposição ao casamento gay, e não deve ceder aos apelos populares ou às imposições geradas por mudanças sociais ou culturais.

– A Igreja nunca deve ser cativada pela cultura, manipulada pelos críticos, motivada por aplausos, frustrada por problemas, debilitada por distrações ou intimidada pelo mal. Temos que manter a corrida com o nosso olhar sobre a meta, e não sobre os gritos do lado da linha. Devemos ser guiados pelo Espírito Santo, com propósito e, por isso, que não podemos ser comprados, não vamos parar até que termine a corrida focada em missões – afirma o pastor.

Fonte: Gospel +

Publicado em Ciência, Mundo, Pesquisa

“A alma pode abandonar o corpo e observá-lo”, afirmam cientistas

Cientistas-afirmam-que-a-alma-pode-abandonar-o-corpo-e-observá-loUm estudo realizado por uma equipe de pesquisadores holandeses chegou à conclusão de que a alma das pessoas que passam por um estado de morte clínica abandona o corpo físico e pode observar nitidamente o que acontece em seu entorno.

Segundo o History Channel, os cientistas reuniram mais de 70 casos de pessoas que conseguiram relatar suas experiências durante o lapso em que estiveram clinicamente mortas e estabeleceram que a consciência pode viver além do cérebro, apesar de que o mundo tal qual o percebemos seja acessível apenas através dos sentidos físicos.

Um dos casos citados no estudo foi o de um paciente que ficou clinicamente morto por 20 minutos, após uma cirurgia cardíaca de alto risco e que, inesperadamente, voltou à vida. Segundo os cientistas, após sua ressurreição o paciente apresentou um relato preciso sobre as cenas que rodearam sua morte transitória.

Segundo os autores do estudo, ele descreveu uma luz brilhante no fim do túnel e contou como saiu de seu corpo. Além disso, ele teria visto os médicos conversando e indicou o lugar e o modo exato de como estavam parados. O paciente descreveu também, com exatidão, as anotações médicas que a enfermeira fazia no computador durante sua “morte”.

Após analisar dezenas de casos como esse, a conclusão dos autores do estudo foi de que estes pacientes estiveram de fato conscientes e fora de seus corpos durante o estado de morte clínica. Do contrário, explicam os pesquisadores, não seria possível a eles descrever as cenas ocorridas durante sua morte clínica tamanha precisão.

Fonte: Gospel +